Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma mulher, de 42 anos, que chegou a integrar a lista de Isaltino Morais à câmara de Oeiras, em 2017, foi condenada a seis anos e três meses de prisão por perseguição, injúrias e ameaças ao autarca e a mais seis pessoas, entre elas o vice-presidente da autarquia, dois vereadores e a filha do próprio ex-social-democrata, revelou o Correio da Manhã. Além da sentença do tribunal de Cascais, a mulher já está a cumprir uma pena de sete anos por crimes idênticos contra um ex-namorada.

Entre os crimes que ocorreram entre 2017 e 2018 está a criação de “vários blogs com o propósito de publicitar informações com conteúdos vexatórios, ofensivos e até assustadores com o intuito de prejudicar pessoal e profissionalmente as pessoas por si visadas”. Foram ainda enviadas mensagens “de forma frequente e sistemática” para o telemóvel do assistente de Isaltino Morais “com conteúdos atentatórios da dignidade e da integridade física e moral do mesmo” e publicadas fotografias “por forma a colocar publicamente em causa o seu bom nome, honra e reputação pessoal”.

Em 2017, na sede de candidatura, a mulher teve acesso a um “computador de onde transferiu documentação e informação alheia sem que para tal estivesse autorizada”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR