Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Nem cabelos pintados, nem estreias para ganhar a medalha de campeão, nem festas nos Paços de Concelho. Após o triunfo frente ao Boavista e consequente quebra do maior jejum sem vencer o Campeonato, o Sporting recusou qualquer tipo de sinal que transmitisse facilitismo nas duas últimas jornadas, a começar pela deslocação à Luz. E esse encontro frente ao Benfica seria mesmo um teste de fogo para os leões continuarem em busca de três recordes até ao final da competição. Todos caíram. E só sobrou mesmo um registo positivo neste dérbi.

Quando Lucas Veríssimo marcou o terceiro golo dos encarnados ainda na primeira parte, a equipa de Rúben Amorim ficou impossibilitada de conseguir pelo menos igualar a melhor média de sempre do Sporting a nível de golos sofridos, passando a ter 18 golos sofridos (que seriam 19 no final) em 33 jogos quando em 2006/07 a defesa constituída por Ricardo, Abel, Tonel, Polga e Caneira consentiu somente 15 golos num Campeonato de 30 rondas, numa média certa de 0.5 (um golo sofrido a cada dois jogos) que continuará a ser o recorde leonino.

Em paralelo, e apesar da reação à entrada desastrosa da equipa, o conjunto verde e branco não conseguiu evitar a derrota, perdendo a possibilidade de se juntar ao Benfica de Jimmy Hagan, ao FC Porto de André Villas-Boas e ao FC Porto de Vítor Pereira como únicas equipas campeãs sem derrotas e também a hipótese de bater o recorde de pontos do clube num só Campeonato, que continuarão a ser os 86 na época de 2015/16… com Jesus. Com isso, Rúben Amorim sofreu também a terceira derrota na Liga, segunda em dérbis com o Benfica.

Assim, o único ponto positivo da deslocação dos novos campeões nacionais à Luz acabou mesmo por ser os três golos, algo que não acontecia no Campeonato desde a primeira semana de novembro e que aconteceu apenas pela quarta vez em 33 jornadas. Com isso, o Sporting voltou a ter três remates certeiros num dérbi enquanto visitante pela primeira ocasião desde a vitória por 3-0 em 2015/16 quando Jorge Jesus era treinador dos leões.  Não havia tantos golos num dérbi para o Campeonato desde o triunfo dos encarnados por 6-3 em 1993/94.

Para isso muito contribuiu Pedro Gonçalves, com dois golos, o início da jogada do 4-2 de Nuno Santos e mais uma bola no poste na melhor exibição leonina na Luz. Com isso, o médio ofensivo tornou-se apenas o segundo jogador português a marcar 20 ou mais golos pelo Sporting numa só época este século depois de Bruno Fernandes e conseguiu também tornar-se o primeiro jogador da formação verde e branca a bisar na Luz desde Liedson em 2005/06, numa das duas vitórias conseguidas pelos leões fora frente ao Benfica este século.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR