Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O cineasta norte-americana Gus Van Sant, autor de uma extensa filmografia e realizador de longas-metragens como “O Bom Rebelde” (1997), “Descobrir Forrester” (2000), “Elefante” (2003) e “Milk” (2008), estará na Cinemateca Portuguesa (em Lisboa) em setembro para acompanhar uma curta retrospetiva que será feita da sua obra.

Além da retrospetiva foi ainda dada uma carta branca a Gus Van Sant para homenagear Andy Warhol. O cineasta escolheu dois filmes para serem exibidos na Cinemateca em setembro: “Batman Dracula”, filme de Warhol sobre a personagem de banda-desenhada Batman, e “Andy Warhol: A Documentary Film”, um documentário de Ric Burns sobre o importante artista plástico e inovador da pop art.

A informação é avançada em comunicado pela Cinemateca, que nota que esta é “uma iniciativa organizada em colaboração com o festival Queer Lisboa”. Os filmes que Gus Van Sant escolheu para esta retrospetiva da sua obra são “Mala Noche” (1986), a sua primeira longa-metragem, “A Caminho de Idaho” (1991), “Elefante” (2003) e “Milk” (2008), juntando-se-lhe ainda a minissérie de filmes em sete episódios “Ouverture of Something That Never Ended”, feita por encomenda e disponível online.

Além de apresentar esta retrospetiva do seu percurso em cinco obras e dois filmes escolhidos para homenagear Andy Warhol, Gus Van Sant vai também mostrar em setembro o seu primeiro espetáculo musical e de palco em Portugal. Trata-se de uma peça inspirada no círculo de convivências de Warhol e encenada por Gus Van Sant. Com um elenco composto por jovens e adolescentes, resulta de uma colaboração com o músico português Paulo Furtado (The Legendary Tigerman) e será apresentada no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, e no Teatro das Figuras, em Faro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR