440kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Novos casos sobem para valores de abril mas internamentos mantêm-se reduzidos. Há mais de 8 meses que não havia tão poucas pessoas em UCI

Este artigo tem mais de 1 ano

Número de novos casos voltou a subir, tal como R(t) e incidência, o que faz com que o país esteja perto da zona amarela na matriz de risco. Mas os internamentos desceram. Há 55 pessoas em UCI.

Portugal Impacted By Coronavirus
i

Índice de transmissibilidade e incidência subiram ligeiramente desde quarta-feira. País mantêm-se na zona verde da matriz de risco, mas cada vez mais próximo do amarelo

Corbis via Getty Images

Índice de transmissibilidade e incidência subiram ligeiramente desde quarta-feira. País mantêm-se na zona verde da matriz de risco, mas cada vez mais próximo do amarelo

Corbis via Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em queda consistente desde o final da terceira vaga da pandemia, os internamentos voltaram a cair muito ligeiramente esta sexta-feira (foi contabilizada menos uma pessoa internada na comparação com as 24 horas anteriores), chegando agora ao número total de 207.  É preciso andar para trás mais de um ano e regressar praticamente ao início da pandemia para encontrar um dia com menos pessoas hospitalizadas — 26 de março de 2020, 191. No caso dos internamentos em unidades de cuidados intensivos, a regressão no calendário é um pouco menor mas igualmente impressionante: há mais de 8 meses, desde 11 de setembro de 2020, que não eram tão poucos os pacientes em estado grave com problemas associados à Covid-19 precisar de cuidados nos hospitais portugueses.

A notícia é boa, mas não permite entrar em euforias ou não tivesse sido acompanhada, no habitual boletim diário da Direção-Geral da Saúde, por outros números, bem menos promissores — e convém não esquecer que o indicador das hospitalizações, a par do das mortes, tem sido sempre o último a subir. Esta quinta-feira, o número de novos casos de infeção voltou a subir, agora para valores registados no final do passado mês de abril. Pela primeira vez em 19 dias, a média diária, calculada em função dos últimos sete dias, ultrapassou o patamar das quatro dezenas — 415,6, para um total de 559 novos testes positivos confirmados nas últimas 24 horas.

Com a subida dos casos positivos, veio também um ligeiro aumento do índice de transmissibilidade — o país passou de um R(t) de 1,02 na quarta-feira para 1,03 esta sexta —, e da incidência, que está agora nos 52,6 casos de infeção por cada 100 mil habitantes (era de 51,4 na quarta-feira). Contas feitas e traduzidas no já famoso quadro colorido da matriz de risco, Portugal segue a esverdeado mas está cada vez mais próximo do amarelo — e por conseguinte do vermelho, que poderá obrigar o país a voltar a fechar.

Depois de nos últimos 5 dias o número de óbitos associados à pandemia ter alternado entre o singular e o par, esta sexta-feira foram três as mortes registadas, o que eleva a média diária a partir dos sete dias anteriores para os 2,6.

Uma no Norte, outra na zona Centro e a última no Algarve — eis a distribuição nacional dos óbitos registados nas últimas 24 horas, um deles de uma pessoa acima dos 60 anos, os outros dois com mais de 70. Desde o início da pandemia, já morreram em Portugal 17.017 pessoas com Covid-19.

Mais de metade dos 559 novos casos de infeção desta sexta-feira foram registados na região de Lisboa e Vale do Tejo — 277. Na região Norte foram confirmados 166 testes positivos; no Centro 37; na Madeira 32; no Algarve 22; nos Açores 20 e no Alentejo 5.

Como o número de recuperados não suplantou esta sexta-feira o de novas infeções, o número de casos ativos também subiu: são mais 94, para um total de 22.287.

Foram 462 as pessoas que recuperaram nas últimas 24 horas da infeção pelo SARS-CoV-2. Desde o início da pandemia, foram 804.984 os doentes dados como curados, de entre um total de 844.288 casos confirmados.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.