Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma armadilha. Foi em 14 de maio de 1941 que se deu a primeira ofensiva do governo de Vichy, em França, regime ultraconservador liderado por Pétain, aos judeus estrangeiros no país que tinham fugido da Polónia. A Shoah Memorial de Paris, museu dedicado à história dos judeus durante a Segunda Guerra Mundial, revelou recentemente 98 fotos quase todas inéditas que mostram como decorreu a primeira deportação em massa da Europa Ocidental: 3.700 judeus foram levados para campos de concentração próximos de Paris. Desses, 2900 seguiriam um ano mais tarde para Auschwitz, tendo sido raros os que sobreviveram.

Apenas algumas das imagens agora divulgadas tinham sido publicadas na imprensa francesa daquela época —  mergulhada em propaganda antissemita — e revelam todo o processo, inclusive como foram os polícias franceses que detiveram os judeus naquele que pode ser considerado o início do Holocausto em França. São pois um documento extraordinário do que ficou conhecido como “Billet Vert” — a detenção e deportação ganhou este nome porque a circular que convocou os 6.494 judeus refugiados em Paris, vindos de vários países, para um controlo rotineiro da sua documentação — nessa altura, ainda não eram obrigados a usar a estrela de David amarela que os identificava — , era verde.

“As imagens estavam em mãos privadas”, explica a diretora das coleções fotográficas do Shoah Memorial de Paris, Lior Lalieu-Smadja. “Um colecionador comprou-as há dez anos numa feira de Reims, na França e há pouco tempo chamou a atenção de historiadores especialistas na ocupação alemã que por seu turno me avisaram da descoberta”, explica no site.  O autor das fotos pertencia à chamada Propaganda Kompanie (PK), unidade do exército alemão que documentava a Segunda Guerra Mundial e que terá sido expulso posteriormente por ter ascendência judaica.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR