O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, exortou esta segunda-feira o mundo a ir além da solidariedade e entrar numa “economia de guerra” contra a pandemia do coronavírus.

António Guterres falava na abertura da Assembleia Mundial da Saúde num momento em que a Índia se torna o terceiro país a cruzar a barreira dos 300.000 mortos.

A pandemia já matou pelo menos 3.465.398 — número que pode ir, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), para “cerca de 6 a 8 milhões” de mortes diretas e indiretas — e contaminou 166.741.960 pessoas no mundo desde o final de 2019, de acordo com o relatório elaborado pela AFP.

“Estamos em guerra com um vírus. Precisamos da lógica e da urgência de uma economia de guerra”, disse Antonio Guterres em Genebra (Suíça).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Diretor Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, por sua vez, gostaria que 10% dos habitantes de cada país fossem vacinados até setembro, criticando o que facto de um “pequeno grupo de países” monopolizar as vacinas.

A pandemia, de origem ainda questionada, também matou pelo menos 115 mil profissionais de saúde, segundo o chefe da OMS.

A China, onde a pandemia começou e que sempre negou veementemente que a Covid-19 pudesse ter escapado de um de seus laboratórios, negou esta segunda-feira as afirmações do Wall Street Journal segundo as quais três investigadores do Instituto de Virologia de Wuhan, uma cidade no centro do país que já foi o epicentro da epidemia, sofreram de uma doença semelhante à de Covid que exigiu tratamento hospitalar em novembro de 2019.

Além das questões de saúde a pandemia destruiu cerca de 500 milhões de empregos.

“Os mais vulneráveis são os que mais sofrem, e temo que isso esteja longe de terminar”, disse António Guterres.

O secretário-geral da ONU pediu ao G20 que crie um grupo de trabalho para as vacinas, alertando que novos surtos podem “desacelerar a recuperação económica global”.

Na Ásia, a Índia, onde o coronavírus ceifa muito mais vidas do que o anunciando oficialmente, de acordo com muitos especialistas, tornou-se o terceiro país a ultrapassar 300.000 mortes depois dos Estados Unidos e do Brasil, com mais de 26,7 milhões de contaminações.

O Japão, que enfrenta uma quarta onda do vírus, abriu esta segunda-feira os primeiros vacinódromos para acelerar a sua muito criticada campanha de vacinação lenta, a menos de dois meses das Olimpíadas de Tóquio (23 de julho a 8 de agosto).

Apenas 2% da população do Japão recebeu as duas doses da vacina, contra 40% nos Estados Unidos ou 15% na França.

Em contrapartida, na Europa, Malta é o campeão da União Europeia em vacinações: o menor país da UE (500.000 habitantes) terá injetado uma primeira dose em 70% de sua população e estima ter já atingido a “imunidade coletiva”.

A União Europeia, com as fronteiras externas encerradas desde março de 2020 para viagens “não essenciais”, deve estabelecer no dia 9 de junho, segundo Paris, a lista de países extra-europeus cujos nacionais totalmente vacinados, com soros autorizados a nível europeu, possam entrar livremente com o passe de saúde com o qual os 27 concordaram na quarta-feira.

Para o Reino Unido (quinto país mais enlutado do mundo, com 127.721 mortos), a França estuda medidas restritivas vinculadas à circulação da variante indiana, o que já pressionou a Alemanha a impor restrições aos viajantes vindos deste país com uma quarentena de duas semanas.

A Espanha está a receber turistas britânicos, sem testes de PCR, assim como os da Austrália, China, Coreia do Sul, Israel, Japão, Nova Zelândia, Ruanda, Singapura, Tailândia, Hong Kong e Macau.

Seguindo os passos da Grécia, a Espanha pretende acolher, a partir de 7 de junho, “todas as pessoas vacinadas” independentemente do seu país de origem.

Depois da Europa (1.122.934 mortes), a América Latina e o Caribe, por sua vez, ultrapassaram um milhão de mortes na sexta-feira (1.009.016 mortes na segunda-feira).

No Haiti, as autoridades declararam esta segunda-feira o estado de emergência sanitária por oito dias, com toque de recolher e uso de máscaras em locais públicos, face ao aumento do número de casos de Covid-19, após a deteção de variantes inglesas e brasileiras.

No Oriente Médio, Israel planeia suspender todas as restrições de saúde no seu território a partir de 1 de junho, pela primeira vez desde o surto do vírus. As restrições de entrada para viajantes permanecerão e podem até ser aumentadas devido às variantes.