Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Com o processo de vacinação, que arrancou no fim de dezembro, Portugal poupou não apenas vidas mas também dinheiro. De acordo com as estimativas dos responsáveis pelo projeto Covid19 Insights, da Nova Information Managment School (IMS) e da Cotec, terão sido 4,8 os milhões de euros poupados pelo SNS em apenas cinco meses de vacinação contra a Covid-19.

Sem vacinas, avançou ao Público o coordenador do projeto, Pedro Simões Coelho, teriam ainda morrido aproximadamente 730 pessoas mais e cerca de 27 mil teriam sido infetadas pelo novo coronavírus. “A vacinação começou em finais de Dezembro e medimos o seu efeito até 23 de Maio, usando um modelo que se ajustou à situação com vacinação e um modelo que simulou o que teria acontecido se as pessoas, que todos os dias são vacinadas, não o tivessem sido. Usamos como referência as taxas de proteção que os laboratórios indicam e que é menor na primeira dose do que na segunda”, detalhou o responsável.

Outro efeito do processo de vacinação, visível nos hospitais do país, foi a redução do número de internamentos associados à Covid-19. Apesar de a contabilização ser mais difícil de fazer, porque os tempos de ocupação são díspares e dependem sempre dos casos concretos dos pacientes, os especialistas do Covid19 Insights chegaram à conclusão de que das vacinas resultaram reduções de 17.700 dias de internamento em enfermaria e de 3.100 dias em unidades de cuidados intensivos.

“Graças à vacinação tivemos muitos dias de camas hospitalares que foram libertados para poder tratar outras pessoas. Isso é um valor extraordinário para a saúde da sociedade”, observou o responsável pelo projeto, para depois explicar a fórmula utilizada para calcular a poupança em euros que o processo proporcionou. A partir do valor diário pago pelo Estado aos hospitais privados por cada doente com Covid e de uma mediana de 10 dias de internamento em enfermaria e de 18 em UCI, os especialistas concluíram que “só por via das camas que libertou, poupou cerca de 4,8 milhões ao SNS”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR