Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É o terceiro enlace conhecido a Boris Johnson e, por isso, levantou dúvidas na comunidade católica. Se é a terceira vez que se casa, porque é que o fez na Catedral de Westminster? Os próprios membros a congregação da Catedral levantaram dúvidas e o problema está nos dois divórcios conhecidos a Boris Johnson escreve o The Guardian.

Boris Johnson casou-se em segredo este sábado na Catedral de Westminster

O padre Mark Drew, assistente em Warrington, foi um dos que usou a rede social Twitter para expressar as suas dúvidas. “Alguém me explica como é que Boris Johnson, que deixou a igreja Católica enquanto esteve em Eaton e é divorciado duas vezes, pode casar-se na Catedral de Westminster enquanto eu tenho que dizer aos católicos praticantes que querem um segundo casamento na Igreja que tal não é possível?”, escreveu no Twitter, naquela que é também uma resposta para a dúvida. É que, de facto, os outros dois casamentos de Boris Johnson não foram celebrados na Igreja Católica, ou seja, não sendo reconhecidos, para a Igreja Católica é como se nunca tivessem acontecido.

As críticas vindas a público partem todas do princípio que algum dos anteriores casamentos de Boris foi celebrado pela Igreja Católica, algo que Austen Ivereigh, biógrafo e coautor do novo livro do Papa, colocou imediatamente em dúvida. As anteriores esposas de Boris não eram católicas, as cerimónias não foram celebradas na Igreja Católica pelo que bastava “um processo administrativo simples” para declarar inválidos os dois casamentos. A explicação foi toda deixada também na rede social Twitter, onde o Austen explica todos os requisitos canónicos para que um casamento seja reconhecido e considerado válido pela Igreja Católica.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR