A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) alertou esta terça-feira, no parlamento, para a escassez de alguns fatores de produção, criticando a “irracionalidade” no desenho de medidas de apoio ao impacto da Covid-19 no setor.

“Verificamos que se mantém uma situação, que até se agravou, e tem a ver com o preço dos fatores de produção e com a sua escassez, nomeadamente da alimentação para os animais, e o estrangulamento dos canais comerciais”, afirmou o dirigente da CNA, Vítor Rodrigues, que falava, por videoconferência, numa audição parlamentar na Comissão eventual para o acompanhamento para a aplicação de medidas de resposta à pandemia da doença de Covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

Neste sentido, segundo o dirigente, o Governo avançou com um conjunto de medidas que se revelaram “insuficientes” e construídas sobre uma base “que tinha irracionalidade no seu desenho“.

A CNA disse que, por exemplo, o apoio para o setor do vinho deixou de fora um conjunto de produtores que não engarrafam, mas produzem para o setor, enquanto, no caso do apoio para o setor do leite, os produtores de queijo não estão a ser ajudados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Assim, a confederação reiterou ser necessária a adoção de um conjunto de medidas que mitiguem o impacto da pandemia no setor agrícola, nomeadamente, uma linha de apoio especial para o associativismo agrícola, a reposição da eletricidade verde e uma linha de crédito bonificada de longa duração.

É necessário aprofundar as compras públicas para refeitórios e cantinas e garantir níveis mínimos de autoaprovisionamento de alimentos e fatores de produção”, acrescentou.