Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O PSD reduziu em 2020 o passivo em mais 2,4 milhões, o que corresponde a uma redução de 28,4% relativamente ao ano anterior, segundo informa o próprio partido em comunicado. O relatório e contas — que será votado no Conselho Nacional de sexta-feira — demonstra assim que o passivo do partido está nos 6,1 milhões de euros e o ativo nos 20,7 milhões de euros, já que teve um crescimento de 1,7 milhões em 2020.

Os resultados líquidos do partido tiveram mesmoum valor positivo de 854 mil euros, num ano em que o PSD devolveu na totalidade 469,3 mil euros que tinham sido entregues em excesso nas autárquicas de 2013. Neste tipo de pagamentos, só em 2019 e 2020 o PSD devolveu 969,3 mil euros ao Estado.

Apesar de José Manuel Bolieiro ter conquistado o Governo dos Açores, o PSD destaca que na campanha das regionais conseguiu “um resultado em linha com as estimativas financeiras que não impactaram materialmente as contas do partido”. E ainda poupou dinheiro face às regionais que ocorreram quatro anos antes: “O resultado líquido da campanha melhorou quase 200 mil euros face a 2016, em resultado do controlo financeiro e com bons resultados eleitorais.”

O PSD diz que, apesar de gastar menos dinheiro, “o partido manteve a sua dinâmica, incentivando a reflexão e a produção de ideias que alimentam o processo legislativo e político através do Conselho Estratégico Nacional ou inovando na inscrição online dos novos militantes que teve um forte impulso no início de 2021 com a inscrição com a chave digital do cartão de cidadão, através de um processo desmaterializado e inédito entre os partidos portugueses”.

O PSD não refere no comunicado, mas houve em 2020, muito menos eventos e ações partidárias do que em anos anteriores, decorrente da pandemia, que afetou mais de nove meses do ano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR