Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Tal como os eléctricos a bateria fazem provas para superar ao máximo os seus limites de autonomia – um dos casos mais recentes foi o do Volkswagen ID.3, que ligou a Alemanha à Suíça com uma só carga -, também os eléctricos alimentados com a electricidade gerada a bordo, através de uma célula de combustível a hidrogénio (FCEV), abraçaram o desafio do hypermiling.

A Hyundai, que tem no Nexo o cartão de apresentação do que melhor consegue fazer em termos de FCEV, anunciou há poucos dias uma nova proeza para o seu SUV, que estabeleceu novo recorde ao conseguir percorrer 887,5 km sem reabastecer de hidrogénio, com um consumo médio de 0,71 kg/100km (contra os 0,95 kg/100 km homologados).

14 fotos

Agora é a Toyota que supera essa marca, com a nova geração do Mirai. A berlina executiva nipónica estreia os mais recentes avanços nas fuel cells do construtor, configurando uma tecnologia mais barata e mais eficiente, e veio provar que, com a adopção de técnicas de condução mais ecológicas, é possível percorrer não os 650 km de autonomia anunciados pelo novo Mirai, de acordo com o protocolo europeu WLTP, mas sim mais de 1000 km. Em concreto, 1003 km com um único depósito (5,6 kg de capacidade).

A proeza, que se traduz num incremento de 54% do alcance do Mirai (mais 353 km), foi alcançada em França, numa incursão de eco-driving a sul de Paris. Revezaram-se ao volante quatro condutores (o fundador da Energy Observer Victorien Erussard, o engenheiro da TME James Olden, Maxime Le Hir, que é o gestor de produto Mirai, e a relações públicas da Toyota em França, Marie Gadd), com as trocas de posição a perseguirem sempre o mesmo objectivo: um consumo médio muito abaixo da fasquia homologada.

Com jantes de 19 polegadas, o novo Mirai exige 0,79 kg de hidrogénio para percorrer 100 km, valor que sobe para 0,89 kg com jantes de 20 polegadas – ainda assim, bem melhor do que os 0,94 kg/100 km do Mirai de 1.ª geração. Acontece que, para estabelecer um novo recorde, a equipa francesa da Toyota conseguiu uma média de 0,55 kg/100 km. Segundo a Toyota, “sem truques”, isto é, adoptando apenas um estilo de condução mais favorável à eficiência.

Nexo e Mirai são ambos FCEV, mas diferem na filosofia e nas especificações. O Hyundai é um SUV com 4,67 m de comprimento e 163 cv, enquanto o Mirai é uma berlina muito próxima da bitola dos 5 metros (4,98 m de comprimento). O modelo japonês anuncia 182 cv e uma autonomia de 650 km, enquanto o sul-coreano debita 163 cv e reclama um alcance de 666 km, também em WLTP, entre reabastecimentos.