Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois dos 724 novos casos que o boletim de quarta-feira dava conta, esta quinta-feira esse valor foi de 769 novas infeções detetadas nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado. Portugal não só está há dois dias acima da linha dos 700 casos diários, como há quatro dias consecutivos que o número de novas infeções está a subir.

Dos 769 casos registados em todo o país desde o último balanço da DGS, praticamente metade (385) foram detetados na região de Lisboa e Vale do Tejo que agora soma 322.214 infeções desde o início da pandemia. A segunda região do país a concentrar mais novos casos é o Norte com 240 novas infeções. Ainda assim, o Norte continua a registar a maior parte dos casos desde o início da pandemia: 340.977.

Depois de Lisboa e Vale do Tejo e do Norte, é o Centro que regista mais novos casos: 54. Estas novas infeções fazem subir para 120.009 o número total de casos. O Centro ultrapassa assim as 120 mil infeções desde o início da pandemia. Segue-se o Algarve com 36 novos casos e o Alentejo com mais 12. Nas ilhas, há mais 30 casos nos Açores e mais 12 na Madeira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Das três vítimas mortais, duas foram registadas em Lisboa. Uma delas é um homem entre os 30 e 39 anos

Além dos casos, Lisboa e Vale do Tejo concentra também o maior número de mortos deido à Covid-19. Das três vítimas mortais desta quinta-feira, duas foram registadas em Lisboa e Vale do Tejo e uma na região Norte. Lisboa e Vale do Tejo contabiliza assim 7.214 mortes desde o início da pandemia. Já o Norte em 5.356 vítimas mortais.

Já há mais de uma semana que Portugal não registava três vítimas mortais. É preciso recuar a 25 de maio para encontrar um dia em que o número de novas mortes seja igual ao registado no balanço divulgado esta quinta-feira pela DGS. Desde então, o número de vítimas mortais diário tem sido de duas, uma ou, na sua maioria, de zero.

Das três vítimas mortais, uma é um homem da faixa etária dos 30 aos 39 anos. Os outros dois mortos são uma mulher na faixa etária entre os 60 e os 69 e outra com uma idade entre os 70 e os 79.

Novos casos são quase o dobro dos recuperados. Há um mês que não eram ultrapassados os 23 mil casos ativos

De acordo com o boletim da DGS, nas últimas 24 horas recuperaram da doença mais 388 pessoas, fazendo subir para 810.659 o número total de recuperações desde o início da pandemia. Ainda assim, recuperaram menos de metade das pessoas que ficaram infetadas — o que faz subir em 378 o número de casos ativos em Portugal, que são agora 23.343.

É preciso recuar exatamente um mês, a 3 de maio, para encontrar um número de casos ativos tão elevado como o registado esta quinta-feira. Nesse dia 3 de maio, havia 23.356. Desde então, esse valor manteve sempre abaixo dos 23 mil e, por vezes, abaixo dos 22 mil. Esta quinta-feira volta assim a passar a linha dos 23 mil casos ativos

Número de pessoas internadas diminui há quatro dias consecutivos

Apesar do aumento de novos casos de infeção, o número de pessoas internadas diminui há quatro dias consecutivos. De acordo com o boletim da DGS, há neste momento 254 doentes em enfermarias — menos 10 do que ontem — e 52 em cuidados intensivos — menos um do que ontem.

não havia um número de internamentos tão baixo como o registado no dia 29 de maio, data em que havia 244 doentes internados.