440kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Boletim DGS. Depois de 8 dias inalterado, R(t) voltou a subir e já é de 1,10 no continente. Há um mês que não havia tantos casos ativos

Este artigo tem mais de 6 meses

Após 8 dias sem alterações, transmissibilidade voltou a subir: 1,08 em Portugal, 1,10 no continente. Apesar de feriado ter reduzido novos casos, infeções ativas regridem para valores de 2 de maio.

Locals And Tourists Are Back In The Streets In Portugal
i

R(t) e transmissibilidade voltaram a subir esta sexta-feira, dia em que não se registou qualquer morte por Covid-19 em Portugal

Corbis via Getty Images

R(t) e transmissibilidade voltaram a subir esta sexta-feira, dia em que não se registou qualquer morte por Covid-19 em Portugal

Corbis via Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Após dois dias seguidos com os números de novas infeções a ultrapassar a casa das sete centenas, coisa que já não acontecia há quase dois meses, desde 6 de abril, as novas infeções caíram esta sexta-feira 44,1% em relação ao dia anterior — de 769 para 430. Problema: esta quinta-feira foi feriado e o facto de terem sido feitos consideravelmente menos testes não será alheio a este valor, que surge em contraciclo e justamente no dia em que, pela primeira vez em oito, o índice de transmissibilidade, o famoso R(t) que os peritos já davam há mais de uma semana em crescimento, volta a aumentar.

Depois de a 27 de maio ter atingido 1,07, o R(t) nacional manteve-se inalterado durante oito dias para esta sexta-feira subir muito ligeiramente para 1,08. Já no continente o R(t) alcançou agora 1,10, o valor que tem sido considerado pelos peritos um dos maiores sinais de alarme da pandemia. Ainda assim, e na conjugação com o nível de incidência da Covid-19 — que também aumentou nas últimas 24 horas e está agora nos 69,8 casos de infeção por cada 100 mil habitantes no país (67,5 no continente) — Portugal mantém-se na zona amarela da matriz de risco, cuja fórmula, por seu turno, se mantém intocada. Isto numa altura em que o número de casos ativos subiu para 23.473, um novo máximo em mais de um mês: desde 2 de maio que não eram tantos.

No capítulo das boas notícias, esta sexta-feira voltou a acordar sem qualquer morte associada à Covid-19 — foi a quarta vez que aconteceu ao longo da semana que passou, que chega assim ao fim com uma média de 0,9 mortes/dia, calculada a partir dos 7 dias anteriores.

Já o número de hospitalizações associadas à pandemia, apesar de ter voltado a subir (houve mais 13 internados entre quinta e sexta-feira), mantém-se baixo e aparentemente sob controle: ao todo, neste momento são 267 as pessoas internadas, 53 delas em unidades de cuidados intensivos.

Por muito que o número de novos casos desta sexta-feira seja o mais baixo desde 25 de maio, proporcionalmente a região de Lisboa e Vale do Tejo continua destacada, com mais de metade dos novos casos — 217 — a registar-se ali. Na região Norte foram comunicados 132 novos casos, nos Açores 26, no Centro 20, no Alentejo 16, no Algarve 11, e na Madeira 8. Há ainda mais 232 contactos em vigilância — num total de 25.161.

Com as 300 adicionadas nas últimas 24 horas, são já 810.959 as pessoas que recuperaram da Covid-19 em Portugal desde o início da pandemia. O número de vítimas mortais, esta sexta-feira inalterado, mantém-se nos 17.029.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.