A província chinesa de Guangdong, que faz fronteira com Macau e Hong Kong, detetou 11 casos locais de covid-19 nas últimas 24 horas, anunciou este sábado a Comissão de Saúde da China.

Guangdong detetou dezenas de infeções locais desde 21 de maio passado, situação que levou as autoridades locais a impor, esta semana, restrições à circulação interna de pessoas, ao ditar que quem quiser sair da província deve fazer um teste à covid-19, e a isolar bairros inteiros.

Na sexta-feira, 180 mil pessoas encontravam-se em isolamento domiciliário em Cantão, de acordo com o Centro de Prevenção e Controlo de Doenças. Com cerca 15 milhões de habitantes, a capital da província no sudeste do país realizou já 7.817.600 testes de ácido nucleico.

A China registou ainda 13 casos, entre viajantes oriundos do exterior, nas cidades de Xangai (leste) e Pequim (norte) e nas províncias de Guangdong (sudeste), Sichuan (centro), Yunnan (sudoeste) e Fujian (sudeste).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As autoridades sanitárias também indicaram terem detetado 28 infeções assintomáticas, três por contágio local em Guangdong e as restantes importadas, embora Pequim não as inclua como casos confirmados, a menos que manifestem sintomas.

A Comissão de Saúde da China adiantou que o número total de casos ativos é de 385, entre os quais nove em estado grave.

Desde o início da pandemia de covid-19, o país registou 91.218 casos e 4.636 mortos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.704.003 mortos no mundo, resultantes de mais de 172 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.