Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Durão Barroso, presidente da Aliança Global para as Vacinas (GAVI), uma iniciativa da Fundação Bill e Melinda Gates, acredita que a “fase aguda da pandemia deve acabar no princípio do próximo ano” e admitiu, em entrevista do Nascer do Sol, que tem havido “dificuldades objetivas” na distribuição de vacinas aos países mais pobres, através do mecanismo Covax.

O objetivo inicial era assegurar 2 mil milhões de doses nos países em desenvolvimento até ao fim de 2021, mas Durão Barroso já adiou a meta para o “início do próximo ano”, ao explicar que o processo vai agora entrar numa fase em que há mais vacinas disponíveis. Até aqui o problema era o facto de não haver “doses suficientes, sendo que uma das razões foi países mais ricos terem acumulado doses em excesso”.

Por outro lado, o facto de a Índia estar a passar por um momento muito complicado em termos pandémicos também desajudou, já que a maioria dos contratos era com aquele país e “suspendeu o fornecimento a outros países”. Durão Barroso realçou que, além disso, “o nacionalismo das vacinas – protecionismo, restrições a exportações” também trouxe problemas ao processo.

O responsável do GAVI explicou que está a haver uma “política de partilha de doses”, num processo que decorre “lentamente” e que se vai intensificando. Durão Barroso está certo que que será no segundo semestre deste ano que se entrará nesta fase. Questionado sobre os riscos de a pandemia se prolongar até a população mundial estar vacinada, o presidente da Aliança Global para as Vacinas admitiu que existe um risco. “E por isso temos dito, e não é apenas um slogan, que ninguém está seguro até todos estarmos seguros. Enquanto o vírus circular, é maior a probabilidade de infeção ou reinfecção, é maior a probabilidade de surgirem novas variantes que serão possivelmente mais transmissível e perigosas”, justificou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por todas essas razões, Durão Barroso insistiu que se está a falar de “uma questão de justiça e de uma questão de ética”. “Não é justo, é imoral mesmo, que alguém, porque tem menos dinheiro, morra quando alguém porque tem mais dinheiro e vive num sítio melhor tem acesso a vacinas”, realçou, frisando que o conceito da Covax é exatamente “baixar o preço das vacinas”, mas nem sempre acontece, tendo em conta que “algumas companhias estão a colocar vacinas a preços de custo” mesmo para este programa.

Durão Barroso revelou ainda que que foi assinada uma “carta com mais de 140 líderes e especialistas a pedir o levantamento das patentes”, com um pedido feito “a título temporário para este objetivo de garantir vacina a todos”. O antigo presidente da Comissão Europeia acredita que esta é uma forma de “acelerar o processo”, mas esclareceu que “as patentes só por si não resolvem o problema, é tão importante ou mais a transferência de know-how”.