Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Mercedes e a McLaren, na época em que a primeira fornecia os motores de F1 à equipa da segunda, uniram esforços para conceber o SLR, superdesportivo de que apenas foram fabricadas 2157 unidades. O exemplar mais famoso foi o adquirido por Paris Hilton, não por pertencer à herdeira da família conhecida por possuir uma rede de hotéis, mas sim por Britney Spears ter saído de forma fulgurante do baixo Mercedes numa ocasião em que a cantora se tinha “esquecido” de vestir parte da sua roupa interior e os fotógrafos estavam à sua espera.

A saída de Britney Spears do Mercedes SLR McLaren de Paris Hilton tornou esta unidade a mais famosa do mundo. Não necessariamente pelos melhores motivos

Paris Hilton vendeu o SLR McLaren e Ed Bolian é o novo proprietário do Mercedes, pelo qual pagou apenas 180.000 dólares, o que lhe pareceu um bom negócio. Mal ele sabia que o desportivo necessitava urgentemente de ver algumas partes recuperadas, para regressar à sua forma original. A começar pelo volante, que teve de ser trocado, o que obrigou a um investimento adicional de 1899 dólares.

Alvo de substituição foram também as condutas de ar para refrigerar os travões anteriores (1250$), a bomba hidráulica da direcção (2220$), o pinhão e a cremalheira (6270$) e os sensores que medem a pressão dos pneus (1700$). A má utilização das portas de abertura vertical também implicou alguns custos, nomeadamente 5000$ o par de amortecedores.

Os discos de travão tinham sido muito utilizados já depois de as pastilhas terem entregado a alma ao criador, pelo que foi necessário substituir os primeiros (20.000$), bem como as segundas (3000$). Entre outras despesas menores, foi igualmente necessário substituir o óleo, o que obrigou Ed Bolian a gastar mais 2105 dólares. No total, Bolian teve de pagar 34.565 dólares, cerca de 28.400€, para ter o SLR em condições de circular.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR