Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A empresa de que Nuno Araújo foi sócio-gerente até entrar no Governo faturou 248.134 euros em ajustes diretos no período em que ocupou o cargo de chefe de gabinete na secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares, então liderada por Pedro Nuno Santos, entre dezembro de 2015 e fevereiro de 2018. O próprio já veio garantir, no entanto, que o processo resulta de “denúncias anónimas” e “falsas”.

Nuno Araújo abandonou o cargo de sócio-gerente da empresa EQS – Serviços de Emergência e Qualidade antes de entrar no Governo, mas manteve uma ligação ao universo da empresa: é o piloto da ENI/EQS Racing Team. O nome de Araújo continua a surgir na página oficial da empresa em publicações sobre Rallycross, onde a EQS patrocina a sua equipa.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.