A Lamborghini está a atravessar uma boa fase. Com a pandemia em vias de fazer parte do passado, ou quase, a procura pelos superdesportivos italianos não cessa de aumentar, com a marca a ter vários argumentos a seu favor, de novos modelos à introdução de mecânicas electrificadas.

Em declarações à Automotive News, o CEO da casa, Stephan Winkelmann, garantiu que 2021 vai ser um excelente ano para a marca. Esta afirmação é sustentada pelo facto de os primeiros 10 meses deste ano da produção já estarem vendidos, uma boa notícia que surge depois de um 2020 em que a Lamborghini registou o segundo melhor ano da sua história. Isto para além de, no primeiro trimestre de 2021, a marca ter visto as vendas crescer 25%, face ao ano anterior.

Aventador e Huracán têm sido valores seguros, mas o Urus é o modelo que tem revelado a maior procura. Contudo, a Lamborghini não se assusta com esta predominância de veículos menos ágeis e mais pesados na sua gama, uma vez que possui algumas cartas na manga para fazer regressar os coupés de dois lugares à liderança.

É histórico! Lamborghini “rende-se” e revela plano de electrificação

Para o conseguir, a marca de Sant’Agata Bolognese está a apostar forte na electrificação dos seus modelos. Fruto de um investimento de 1,5 mil milhões de euros, durante os próximos quatro anos vão surgir as versões híbridas do Aventador e Huracán, para o equivalente na gama Urus estar agendado para 2025. Antes disso, em 2023, a Lamborghini introduzirá um híbrido para dar continuidade ao Sián, com um volume de produção superior. O primeiro veículo 100% eléctrico só surgirá depois de 2025.