Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pouco depois de ser conhecida publicamente a demissão de Rui Pereira das funções de presidente da Assembleia Geral do Benfica, alegando divergências com a Direção do clube em relação à próxima reunião magna de caráter extraordinário no próximo dia 3 de julho, Luís Filipe Vieira e os restantes membros do órgão que lidera vieram a público recusar qualquer tipo de interferência ou oposição com o evento entretanto marcado.

Rui Pereira demite-se de presidente da Mesa da Assembleia Geral do Benfica em choque com Luís Filipe Vieira

“A Direção do Sport Lisboa e Benfica e, em particular, o seu presidente desmentem veementemente qualquer oposição à realização da Assembleia Geral Extraordinária solicitada por um grupo de sócios”, começa por referir o comunicado oficial do órgão dos encarnados, manifestando também total espírito de colaboração para o ato.

“A Direção do Sport Lisboa e Benfica, no cumprimento estrito dos estatutos, dará todo o apoio aos órgãos sociais competentes para procederem à convocatória dessa mesma Assembleia Geral Extraordinária, em observância às diretrizes emanadas pela Direção-Geral da Saúde. E no mais breve prazo possível. A Direção e o seu Presidente desejam as maiores felicidades ao Prof. Doutor Rui Pereira”, acrescentou a missiva emitida esta noite. De recordar que, há pouco mais de um ano, e na antecâmara do ato eleitoral, Luís Nazaré, então presidente da Assembleia Geral, também tinha pedido a demissão por divergências antes de uma reunião magna.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Luís Nazaré demite-se da liderança da AG do Benfica. Direção explica choque por causa dos moldes da próxima AG

Da parte dos organizadores da Assembleia Geral extraordinária, um dos interlocutores que reuniu todas as assinaturas necessárias para a realização do ato, Miguel Godinho, explicou que Rui Pereira cumpriu sempre o que está consagrado nos estatutos e falou em possíveis entraves que estarão a ser colocados. 

“Fomos surpreendidos como todos os benfiquistas com a notícia desta noite. Não era a nossa expectativa que o Dr. Rui Pereira se demitisse, ainda por cima depois de termos recebido ontem [sexta-feira] a resposta em relação à marcação da assembleia geral a 3 de julho. Não recebemos nenhuma resposta contrária à não convocação da assembleia geral extraordinária até agora. Portanto, para nós, até em resposta em contrário, a assembleia geral decorrerá o seu trajeto normal até dia 3 de julho. A informação que tínhamos do Benfica e enviada pelo Dr. Rui Pereira era que iria seria remetido um parecer à Direção Geral de Saúde. Aguardamos por esse parecer da DGS que garanta as condições necessárias para a realização da assembleia geral no dia 3 de julho”, começa por dizer o associado na mensagem enviada na noite deste sábado ao jornal Record.

“Em relação ao comunicado do Dr. Rui Pereira, ficamos genuinamente preocupados. É difícil para os benfiquistas entenderem a relutância da Direção de não conceder as condições necessárias para que a assembleia geral seja uma realidade. É isso que depreendemos desse comunicado. Estarão a ser criados entraves internamente à mesa da AG e ao Dr. Rui Pereira para a realização da assembleia geral extraordinária. Lamentamos profundamente. Nestes últimos meses, o Dr. Rui Pereira foi, em todos os contactos, um fiel cumprir dos estatutos como assim é exigido. Esperamos que o seu sucessor tenha mesma lisura de procedimentos e que os estatutos do Benfica continuem a ser cumpridos conforme estavam a sê-lo até agora”, acrescentou a missiva.