Pelo menos três pessoas morreram na sequência da passagem do furacão Elsa na República Dominicana e na ilha de Santa Lúcia, disseram no sábado as autoridades locais.

O diretor do Centro de Operações de Emergência da República Dominicana, Juan Manuel Mendez, disse que um rapaz de 15 anos e uma mulher de 75 morreram no sul do país, em circunstâncias semelhantes, ao serem atingidos por muros que ruíram devido ao vento e à chuva fortes.

Em Santa Lúcia, um homem foi encontrado morto sob os escombros da sua casa, destruída pela passagem do Elsa, afirmou o primeiro-ministro do país, Allen Chastnet.

O Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos indicou que, às 17:00 de sábado em Miami (22:00 em Lisboa), o centro do Elsa se encontrava a cerca de 210 quilómetros a sudoeste da capital do Haiti, Porto Príncipe, e a cerca de 310 quilómetros a leste de Kingston, na Jamaica.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois de passar pelo Haiti, o Elsa, atualmente com ventos máximos sustentados de 110 quilómetros por hora e rajadas mais rápidas vai dirigir-se, durante o dia, para a Jamaica e áreas do leste de Cuba.

O NHC previu que na segunda-feira o furacão deverá atravessar as zonas central e ocidental de Cuba, seguindo para o estreito da Florida, de onde se aproximará da costa ocidental desse estado norte-americano.

Na Florida, a aproximação do Elsa acelerou os planos de demolição, que poderá começar hoje, do edifício que desabou perto de Miami há mais de uma semana, indicou um responsável dos bombeiros de Miami-Dade.

Pelo menos 24 pessoas morreram e 124 estão desaparecidas, de acordo com as autoridades.

A maior parte de um prédio de 12 andares, o Champlain Towers South, localizado a uma dezena de quilómetros de Miami Beach, desabou na manhã de 24 de junho.

Além do vento e da chuva fortes, diferentes áreas sob alerta podem registar subidas do nível do mar, inundações, aluimentos de terra e torrentes de lama.

Antes do Elsa, a região registou já as tempestades tropicais Ana, Bill, Claudette e Danny.