O Estado aumentou em 22% as receitas por multas de trânsito desde o início do ano até maio face a período homólogo, apesar da redução da mobilidade que se verificou devido ao confinamento, informa esta quinta-feira o Diário de Notícias (DN) e o Jornal de Notícias (JN). É, aliás, a única receita não fiscal a subir em 2021.

De acordo com dados do Instituto da Mobilidade e do Transportes a que o jornal teve acesso, o tráfego das estradas caiu 27% nos primeiros três meses do ano. Ao mesmo tempo, o aumento do valor cobrado por via das multas de trânsito aumentou atingindo praticamente os níveis de 2019.

Segundo o DN, este aumento prende-se em parte pelo agravamento de quadro sancionatório que resultou do facto de o Governo ter aumentado as multas a mais de 50 artigos do Código da Estrada no início do ano. Por exemplo, o valor das infrações por uso ao telemóvel ao volante aumentaram, bem como as de estacionamento para autocaravanas fora dos locais autorizados.

Também na origem deste aumento em período homólogo terá estado a reabertura gradual da economia este ano e ainda a dispensa temporária de pagamento de algumas tarifas em 2020, como aconteceu com o estacionamento de várias cidades.

Na totalidade, o Estado já encaixou 36 milhões de euros por multas nas estradas, o que corresponde a 40% do total expectado — sendo a única receita não fiscal a aumentar este ano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR