A Toyota apoiou os fãs de Trump, o que lhe valeu grandes críticas. Mas agora fez marcha-atrás, anunciando que, “depois de ouvir os accionistas”, decidiu deixar de contribuir para os membros do Congresso que contestaram o resultado das eleições em determinados estados, depois de certificadas.

A Toyota tem uma presença fortíssima no mercado norte-americano, onde é das marcas estrangeiras que mais vende. É mais popular entre os membros do partido Democrata do que os do Republicano, em virtude da maior preocupação ambiental dos seus veículos, cujas motorizações, sempre que possível, favorecem os híbridos.

Posto isto, a surpresa foi geral quando os responsáveis pelo construtor japonês nos EUA decidiram apoiar financeiramente, de uma forma mais generosa, os membros Republicanos do Congresso, especificamente os que se recusaram a aceitar o resultado das eleições, que os tribunais declaram ser justas e que deram a vitória a Biden.

Toyota apoia mais os congressistas amigos de Trump

Assim que a informação foi divulgada – e nos EUA todos estes donativos são públicos –, choveram críticas, sem que o porta-voz da Toyota conseguisse avançar uma explicação para as acusações feitas pelo grupo Cidadãos pela Responsabilidade e Ética em Washington, que tem por hábito passar a pente fino todas as transacções aos partidos e políticos norte-americanos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A isso a Toyota respondeu, na altura, que “não é apropriado julgar os membros do Congresso apenas pelos seus votos em relação à certificação eleitoral”. De recordar que, em Janeiro, a Auto News revelou que o construtor nipónico pagou mais de 1 milhão de dólares através do seu “apoio político”.