A Câmara de Lisboa discute na sexta-feira, em reunião privada do executivo, uma proposta para reabilitar o túnel da Avenida João XXI, no valor de 7,5 milhões de euros, considerando necessária “uma intervenção de fundo” naquela infraestrutura.

O executivo municipal salienta no documento que é “necessário proceder a uma intervenção de fundo no túnel da Avenida João XXI, nomeadamente ao nível da reabilitação de todas as infraestruturas (AVAC, redes de águas, de incêndios, de drenagem de águas residuais e pluviais) da estação elevatória, reforço estrutural de estruturas, incluindo o reforço contra incêndios, remodelação da zona que integra o posto de controlo, a sala do grupo gerador, o posto de transformação e a saída de emergência da Avenida de Roma, bem como a criação de uma nova saída de emergência no cruzamento da Avenida João XXI e Avenida de Roma”.

A obra de reabilitação tem como objetivo “dar cumprimento aos requisitos necessários e regulamentares de segurança, garantindo os eficazes métodos construtivos e dimensionamento estrutural”, refere a proposta, subscrita pelo vice-presidente da Câmara de Lisboa, João Paulo Saraiva (Cidadãos por Lisboa, eleito na lista do PS).

A autarquia propõe o lançamento de um concurso público, com o preço base de 7,5 milhões de euros. O prazo de execução da obra é de cerca de dois anos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na reunião de sexta-feira, o município discute também o lançamento do concurso público para executar a primeira fase da construção do Complexo Desportivo Municipal de Carnide, com um preço base de 4,8 milhões de euros.

O equipamento desportivo será formado por dois campos de futebol com relva sintética e respetivas estruturas de apoio, lê-se na proposta, realçando que se verifica na cidade “uma carência significativa de grandes campos de jogos, nomeadamente de grandes campos de futebol”.

A Câmara de Lisboa, presidida pelo socialista Fernando Medina, vai votar ainda a requalificação da pista de atletismo Professor Moniz Pereira, no Lumiar, no valor 1,1 milhões de euros.

A obra, com um prazo de execução de 180 dias, contempla “a criação de uma reta de velocidade do lado oposto à existente e a criação de um novo corredor de salto à vara junto à nova reta, juntamente com um corredor de arrasto (treino com carga)”, bem como o aumento da capacidade da bancada de assistência.