815kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Boletim DGS. Casos ativos não caíam assim num só dia desde o final de abril

Este artigo tem mais de 2 anos

Houve 2.706 novos casos positivos no último dia e morreram 4 pessoas. A DGS identificou mais de 4 mil recuperações, levando à maior redução diária de casos ativos em quase 3 meses.

Daily Life In Lisbon Amid COVID-19 Pandemic
i

NurPhoto via Getty Images

NurPhoto via Getty Images

O número elevado de recuperações no último dia, num total de 4.451, ficou bem acima dos 2.706 novos casos. A redução de infeções ativas com o coronavírus é, por isso, também acentuada — menos 1.749 casos ativos do que no dia anterior, num total de 50.487. Ou seja, menos 3,3% num só dia.

Será necessário recuar a 27 de abril para encontrar uma variação tão elevada em 24 horas, em termos percentuais. Na altura, houve uma redução de 846 casos ativos (para 23.816), ou seja, menos 3,4%.

No entanto, se a conta for feita em termos absolutos, a distância temporal é ainda maior: só a 27 de março, com menos 3.332 casos ativos, foi registada uma maior redução do que nesta terça-feira.

Os 2.706 novos casos registados no boletim desta terça-feira representam um aumento de 56 casos, ou 2,1%, face aos números do mesmo dia da semana passada.

Lisboa e Vale do Tejo teve 1.196 desses novos casos, 44,2% do total do país. Seguem-se o Norte, com 953 casos, Centro (219), Algarve (199), Alentejo (77), Madeira (39) e Açores (23).

Os dados do boletim da DGS dão conta ainda de mais 3 internamentos com Covid-19, para um total de 854. Mas os cuidados intensivos apresentam uma tendência inversa — menos 4 doentes nestas unidades, num total de 177 camas ocupadas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta terça-feira há mais 112 internados (+15,1%) face ao mesmo dia da semana passada e mais do dobro (+110%) do valor de há um mês (a 20 de junho havia 405 doentes).

No caso dos internamentos em cuidados intensivos, há um aumento de 9,5% (+17) face ao mesmo dia da semana anterior e de 83% (+81) do que há um mês.

Duas das quatro mortes registadas pela DGS esta terça-feira tiveram lugar em Lisboa e Vale do Tejo. As outras duas ocorreram no Norte e no Algarve. Estão em causa um homem e uma mulher na casa dos 60 anos e duas mulheres acima dos 80 anos.

No total dos últimos sete dias, desde o boletim de 14 de maio, a Direção-Geral de Saúde identificou 46 mortes, menos 9 do que no período imediatamente anterior (55 entre 7 e 13 de julho).

Desde que começou a pandemia, morreram 17.219 pessoas com Covid-19, recuperaram 867.540 e há 50.487 com infeção ativa.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos