Pedras preciosas avaliadas em 4,2 milhões de libras trocadas por pedras, simples seixos. A história parece de filme, mas aconteceu em março de 2016, numa famosa joalharia do grupo Boodles, em Londres, e a alegada protagonista já está a responder em tribunal, após ter sido detida em França, na sequência de um mandado de detenção europeu, e extraditada de volta para o Reino Unido.

Lulu Lakatos, de 60 anos, apresentou-se como avaliadora de pedras preciosas numa joalharia em Londres no dia 10 de março de 2016. Anna, como se apresentou, dizia-se intermediária de um local de venda de diamantes e terá, de acordo com a acusação, fingido avaliar sete diamantes, colocando-os numa mala fechada com um cadeado que deveria manter-se na loja até que o negócio fosse realizado. Contudo, a mala que ficou na joalharia tinha apenas seixos e a mulher levou consigo as pedras preciosas avaliadas em 4,2 milhões de libras, cerca de 4,86 de euros.

De acordo com o The Guardian, a acusação descreve o sucedido: o presidente da Boodles, Nicholas Wainwright, foi apresentado a Simon Glas, um homem que teria interesse em comprar este tipo de diamantes. Foi no Mónaco que este homem apresentou um cidadão russo, Alexander, a Wainwright para se acertarem os pormenores do negócio e da compra das pedras preciosas.

Anna, que se suspeita agora ser Lulu Lakatos, era a alegada avaliadora dos diamantes e chegou mesmo a ser escoltada por Wainwright, em nome da joalharia. Foi nessa altura, quando se deslocavam para a parte superior de um edifício, que a suspeita terá trocado os diamantes pelos seixos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O procurador Philip Stott acrescentou ainda que a mulher trocou de roupa na casa de banho de um bar para fugir e saiu de Londres com identificação verdadeira. “Os diamantes foram roubados através de um jogo de mãos. A conspiração, em que a suspeita terá desempenhado um papel central e integrante, foi da mais alta sofisticação, planeamento, risco e recompensa possíveis”, crê o responsável.

A mulher está a ser julgada no Reino Unido depois de ser extraditada após uma detenção em França.