O Governo vai investir, até 2023, um total de 4,12 milhões de euros em dragagens anuais nos portos de Vila Praia de Âncora (Caminha), Esposende, Póvoa de Varzim e Vila do Conde, foi anunciado esta segunda-feira.

O investimento consta de um contrato celebrado esta segunda-feira, em Caminha, distrito de Viana do Castelo, entre a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) e a empresa Rohde Nielsen.

Em causa estão dragagens de um total de 525 mil metros cúbicos de areia, repartidos pelos portos de Vila do Conde (130 mil metros cúbicos) e Póvoa de Varzim (200 mil), no distrito do Porto, Esposende (115 mil), distrito de Braga, e Vila Praia de Âncora (80 mil), distrito de Viana do Castelo. Neste último porto já está a decorrer uma dragagem de 111 mil metros cúbicos.

As dragagens nos outros três portos deverão arrancar ainda durante este verão. O acordo contempla intervenções anuais nos quatro portos até 2023.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para o ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, segunda-feira foi “um dia feliz” por ter sido selado o “primeiro plano plurianual” de dragagens, com “a maior autorização de sempre dada por um Governo” para aquele fim.

O governante destacou que o acordo vai permitir uma planificação atempada das dragagens, para que estas operações se possam realizar na altura certa, designadamente em termos de condições atmosféricas. Por isso, defendeu que estas planificações plurianuais devem continuar no futuro.

Ricardo Serrão Santos adiantou ainda que, através da Docapesca, serão investidos mais 4,35 milhões de euros em portos, para melhorar condições para a pesca, turismo e transporte de pessoas e bens.