A meta para atingir a imunidade de grupo nos Açores foi prolongada até ao final de agosto, mas o coordenador regional da vacinação contra a Covid-19 destacou esta segunda-feira que há agora “um grau de previsibilidade muito elevado”.

A chegada de 15 mil vacinas da Janssen à região, que “têm uma particularidade interessante, porque vão permitir um aumento substancial do ciclo vacinal aqui, na ilha de São Miguel”, resolveu “uma das grandes dificuldades” que se fazia sentir nos Açores, “que tem a ver com o grau de previsibilidade da chegada das vacinas”, afirmou Pedro Monjardino.

“Com a chegada dessas vacinas, está montado um cenário que tem um grau de previsibilidade muito elevado, de praticamente 100%, porque, entre o dia 21 de julho e 17 de agosto, vão chegar à Região Autónoma dos Açores cerca de 100 mil vacinas, das quais 72% serão alocadas exclusivamente à ilha de São Miguel”, adiantou o coordenador regional do processo de vacinação contra a Covid-19.

O responsável, que falava esta segunda-feira aos jornalistas durante uma visita ao centro de vacinação das Portas do Mar, em Ponta Delgada, avançou ainda que esse número pode ser maior.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ainda assim, a meta apontada pelo Governo Regional para ter 70% da população imunizada contra o novo coronavírus até 15 de agosto voltou a ser adiada.

“Não posso garantir que seja a 15 de agosto, será mais para a frente, mas posso garantir que, no mês de agosto, isso vai acontecer”, assegurou o coordenador.

Sobre a possibilidade de começar a vacinar crianças a partir dos 12 anos, “caberá à comissão de acompanhamento fazer a sua recomendação ao Governo Regional”.

Pedro Monjardino acredita que, “na altura certa, farão isso, porque, inclusivamente, temos o ano letivo a começar e isso é uma questão que vai ter de ficar resolvida durante o mês de agosto, para depois serem tomadas as medidas que devem ser tomadas”.

Questionado sobre se as doses alocadas à região são suficientes para vacinar também essa faixa etária, o responsável disse que “vão ter de chegar”.

Para a ilha de São Miguel, que é, neste momento, a prioridade na vacinação, foram estudadas as hipóteses de “aumento de recursos, quer humanos, quer de equipamentos, para fazer esse tipo de incremento”, mas as equipas estão preparadas para vacinar cerca de 2.500 pessoas por dia.

“Esse plano está feito, está delineado, a Unidade de Ilha de São Miguel consegue, com recursos humanos locais, fazer esse incremento, que vai haver durante o mês de agosto, em que vai haver dias em que vamos vacinar cerca de 2.500 pessoas, mas, se for necessário, teremos recursos alternativos a virem do continente”, concretizou.

Depois de terem sido resolvidos os constrangimentos para obtenção do certificado digital para aqueles que foram vacinados com a vacina da Janssen, vai ser criado um ‘call center’ para apoiar os viajantes.

O arquipélago conta atualmente com 523 casos positivos ativos, sendo 324 em São Miguel, 169 na Terceira, 11 no Pico, três nas Flores, cinco no Faial, seis em São Jorge, três na Graciosa e dois em Santa Maria.

Desde o início da pandemia foram diagnosticados nos Açores 7.420 casos positivos de Covid-19.

Recuperaram da doença 6.712 pessoas e 37 morreram.

Desde 31 de dezembro de 2020 e até 8 de julho, foram administradas nos Açores 250.705 doses de vacinas contra a Covid-19, havendo 129.190 pessoas com, pelo menos, uma dose (53,21% da população) e 121.515 pessoas com vacinação completa (50,05%)”, no âmbito do Plano Regional de Vacinação.