Às 6h30 da manhã, Rui Pedro já se encontrava na estação da Senhora da Hora, pronto para apanhar o metro que o levaria até ao seu local de trabalho. É uma rotina que faz praticamente todos os dias, mas esta quarta-feira, fruto da greve dos maquinistas da Metro do Porto, a tarefa levou mais tempo. “Fiquei surpreendido. Cheguei aqui à estação e reparei que não tinha ninguém e achei estranho. Agora tenho de estar aqui mais 20 minutos à espera do metro”, conta ao Observador, sentado num dos bancos da estação.

À semelhança deste passageiro, muitos clientes da Metro do Porto tiveram que alterar planos, arranjar transporte alternativo ou esperar mais tempo pelo transporte público, devido a uma greve que afetou operação na generalidade da rede. Os metros apenas circularam na linha de Gaia e no troço comum Estádio do Dragão-Senhora da Hora, deixando de parte as ligações a outros concelhos do Grande Porto, como Matosinhos, Póvoa de Varzim e Maia.

Na estação da Senhora da Hora — que num dia normal estaria com um grande movimento, uma vez que passam por aqui composições de todas as linhas da rede –, foram vários os passageiros que chegaram e ficavam surpreendidos ao ver o aviso de greve sem serviços mínimos exibido nos ecrãs de informação. “Quem nos avisou foi o segurança. Disseram-nos que só vinham metros daqui da Senhora da Hora diretamente para o Estádio do Dragão, de meia em meia hora. Por azar, quando estávamos a chegar à estação estava a sair um metro e agora temos que esperar meia hora”, refere Virgínia Aguiar, que tinha intenções de ir até à estação de Campanhã com a família.

Na estação da Trindade, uma das mais movimentadas da rede da Metro do Porto, as dúvidas e tempos de espera também persistiram. Enquanto esperava pelo metro para Santo Ovídio, Aline percebia que a demora das composições se devia à greve dos maquinistas. “Não sabia da greve e acho que até me vou atrasar para o trabalho”, conta ao Observador, acrescentando que a população deveria ter sido avisada com mais antecedência.

Greve. Praticamente tudo parado no Metro do Porto

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já Sérgio Silva, desiludido com os tempos de espera que ia vendo no ecrã da estação, decidiu que não ia esperar pelo metro em direção ao Estádio do Dragão. “Isto é um exagero. Um minuto, cinco minutos ainda vá lá. Agora 10, 20, 30 minutos, não. Quero ir para o Estádio do Dragão e não consigo. Tenho de ir a pé“, lamenta, acrescentando que deveria ter deixado a decisão de carregar o passe para mais tarde.

“A circulação está reduzida ao tronco comum e à linha de gaia. Apenas estão alguns colegas a garantir estas viagens, colegas contratados a tempo incerto, com trabalho precário e não sabem o futuro. Temos entre 90% a 95% de adesão“, explicou ao Observador Hélder Silva, dirigente do Sindicato dos Maquinistas (SMAQ), acrescentando que entre as reivindicações dos maquinistas da Metro do Porto estão “a melhoria dos serviços, a redução da carga horária, pela responsabilidade e penosidade da função, a comunicação das escalas a tempo e horas, a rotação de folgas e, a nível remuneratório, a valorização da carreira de atração na empresa”.

CP prevê perturbações na circulação de comboios a partir desta quarta-feira e até 15 de setembro

No pré-aviso de greve, o SMAQ comunicou que a greve visa o “desbloqueio da negociação de um acordo de empresa (…) para além das cláusulas já acordadas”. O sindicato indicou ainda não ter proposto serviços mínimos por “entender haver alternativas suficientes nos transportes coletivos na área geográfica abrangida pelo serviço da Metro do Porto”, lê-se ainda. A operação e manutenção do metro do Porto é efetuada, em subconcessão, pela empresa ViaPorto, do grupo Barraqueiro, à qual se pediram esclarecimentos, não fornecidos em tempo útil.

O mesmo sucedeu com a empresa Metro do Porto, SA, que já se tinha pronunciado sobre a greve desta quarta-feira e de sexta-feira, lamentando que o SMAQ e a subconcessionária para a operação e manutenção do sistema “não tenham conseguido alcançar um acordo que permitisse evitar a greve o consequente incómodo para os milhares de clientes do metro”. Em comunicado, na sua página da Internet, a empresa afirmou aguardar com “expectativa que ambas as partes possam alcançar um entendimento que leve a que não haja nova greve no dia 30 de julho [sexta-feira]”. Depois deste período de greve de 24 horas, a circulação retoma a normalidade na quinta-feira, voltando os maquinistas à paralisação durante todo o dia de sexta-feira.