Desde o início dos tempos que os jardins sempre foram motivo de orgulho para as civilizações que moldaram a nossa existência: não queremos dar-lhe uma lição de História, mas o que é facto é que a expressão estética e artística associada à escolha de plantas e elementos decorativos num espaço exterior dizem mais sobre nós do que o que pensamos. Diz sobre nós atualmente – especialmente quando vivemos num ambiente urbano – onde cada vez mais procuramos equilibrar a atmosfera interior da nossa casa com um espaço exterior sereno e cuidadosamente curado com plantas de variadíssimas cores, formas e feitios (o nosso Éden particular). Como diz também sobre a cultura mesoamericana, mesopotâmica, indiana, persa, egípcia, romana e tantas outras que elevaram a criação e embelezamento de jardins botânicos, exteriores, interiores, a um nível místico. Se antes a preocupação era essencialmente a variedade de plantas e a sua organização paisagística no espaço, atualmente, a história é outra: os tempos avançaram e, com eles, nós também e, por isso, queremos ir além do que os antigos queriam: queremos contribuir para um mundo mais consciente e sustentável. E o nosso jardim também pode ser amigo do ambiente, sabia?

Privilegiamos a eficiência e já não queremos gastar litros de água para manter e limpar o jardim, especialmente no verão. Procuramos aproveitar mais a vida e por isso escolhemos sistemas adequados que nos permitem poupar em tempo, comodidade e na fatura da água, não queremos gastar recursos e por isso otimizamos o que a natureza nos dá. Por isso, com a ajuda da LEROY MERLIN, vamos ajudá-lo a tornar o seu jardim mais sustentável.

1- Planeie um jardim que necessite de pouca água

Sabia que os jardins são os grandes responsáveis por grande parte do consumo de água numa casa, principalmente no verão? Por isso, sugerimos que pense no seguinte: comece por analisar o tipo de solo que tem no seu espaço exterior: as características podem condicionar a escolha ideal de plantas mais viáveis para plantar e, por conseguinte, o consumo de água. Os solos que resultam melhor, pelo menos em Portugal, são os solos francos ou franco argilosos. Não é o caso do seu? Fique a saber que há solução: pode utilizar matéria orgânica para melhorar a qualidade do solo que deseja jardinar e desta forma melhorar a capacidade de absorção e armazenamento de água para as plantas. Pode ainda cobrir a terra com uma camada de acolchoado, limitando a evaporação da água, ajudando a conservar a humidade do solo e diminuindo a necessidade de rega.

Acautelada a questão do solo, pensemos noutras alternativas para poupar água: opte por plantas autóctones de baixo consumo hídrico, que se adaptam às condições do sítio onde vive, visto que o seu ciclo de crescimento se regula em função das características meteorológicas de cada estação; escolha relva natural de baixo consumo hídrico; puxe pela criatividade e utilize pedras decorativas no seu jardim, que evitem o aparecimento de ervas daninhas e consequentemente o uso de pesticidas; ou então, relva artificial, uma alternativa cómoda, funcional e que não gasta água.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

2- Opte por um sistema de rega eficiente

Jardim plantado, passemos para o segundo ponto em que lhe explicamos o quão importante é fazer um uso racional da água e de como essa pequena atitude poderá beneficiá-lo em tempo, comodidade e em dinheiro no final do mês. É imprescindível que opte por um sistema de rega eficiente: a chave de ouro consiste em instalar um programador que lhe traz variadíssimas vantagens – como poupar até 25% de água.

Os programadores adaptam-se a vários tipos de rega – que devem ter em conta as características do seu jardim: rega enterrada é ideal para a relva, gota a gota para árvores e plantas, e por exsudação para hortas – e todos eles contribuem para uma grande poupança de água. Estes dispositivos permitem selecionar a duração e a frequência de rega de forma simples e alterá-la em função da estação do ano: poupará água, porque dispensa apenas a quantidade de água exata que as plantas precisam, tornando-as mais resistentes; poupará tempo e esforço, porque o programador rega por si; e não precisa de pedir aos familiares ou amigos para cuidar das plantas na sua ausência. Só vantagens, não é?

3 – Limpeza eficiente: limpe o seu espaço exterior com lavadoras de alta pressão

Pequenas alterações fazem a diferença na poupança da água, especialmente quando se trata da lavagem de grandes superfícies exteriores como terraços e jardins. As lavadoras de alta pressão são a melhor solução porque permitem economizar a água e garantem uma maior comodidade no momento da limpeza de pavimentos de cerâmica, pedra, micro-cimento, piscinas, fachadas, ferramentas, mobiliário de jardim – estas lavadoras limpam tudo, limpam bem, e ainda consomem menos 70% de água (já sabe quem é que vai ganhar no final do mês, não é?).

4 – Aproveite a água da chuva

Porquê pagar mais se pode poupar e ainda contribuir, de forma sustentável, para a mudança que o mundo precisa? Um verbo e quatro palavras: aproveite a água da chuva. Sim, leu bem, existem sistemas que permitem regar o jardim ou limpar a parte exterior da casa através deste recurso gratuito. Para implementar esta ideia, só precisa de instalar um sistema de caleiras no telhado – estas peças permitem a evacuação da água dos telhados e de outras superfícies inclinadas -, que conduzem a água até um depósito e desta forma reutilizar a água da chuva. Vamos otimizar ainda mais? Evite o desperdício através da utilização de depósitos pluviais, que podem recuperar entre 80% a 90% da água da chuva que cai no telhado através das caleiras.

5 – Cuide da sua piscina e poupe água

Nem sempre podemos desfrutá-la o ano inteiro, especialmente se o leitor sofrer com as temperaturas baixas típicas das estações mais frias do ano (boas notícias: coberturas de inverno fazem milagres). Sim, estamos a falar de piscinas e da forma como pode torná-las mais sustentáveis. É que gastar menos e beneficiar o ambiente é possível, o importante é conhecer características do tratamento da piscina e selecionar os componentes certos, que permitem poupar e escolher um bom método de desinfeção. Vamos por partes: sabia que colocando uma cobertura – mesmo de verão – conseguirá reduzir a água perdida por evaporação em 70%? Que a utilização de um limpa-fundos automático economiza mais de 20% de água na lavagem do filtro? Que as fugas de água não detetadas dentro da piscina podem corresponder a um desperdício assustador? Assustador, sim: uma gota de água por segundo corresponde a 8.000 litros num ano.

6 – Compos-quê? Compostagem

Ora, a compostagem valoriza em poucos meses os resíduos do jardim e da cozinha. Simples e económico, este processo permite fazer um adubo natural que oferece às plantas todos os nutrientes necessários. Não só é mais barato, como livre de químicos. Na lista, aponte: precisará de uma caixa de compostagem e de um ativador de compostagem, além de uma forquilha, um agitador de compostagem e um regador. Simples, não é? O ambiente e as suas plantas agradecem o gesto.

Na LEROY MERLIN vemos a sustentabilidade como mais do que um compromisso ou um desafio. A sustentabilidade significa criar Impacto Positivo em todo o nosso Ecossistema: pela nossa oferta, comprometida com o ambiente, e pela partilha de boas práticas com os clientes; pelo nosso compromisso de garantir o bem-estar das nossas equipas; e pelo facto da LEROY MERLIN ser uma CASA DE TODOS.

A nossa casa e a casa de todos – que é este planeta em que habitamos -, precisa de nós: aproveitemos, por isso, o verão da melhor forma possível e façamos pequenas mudanças no jardim lá de casa, caminhemos passo a passo, rumo a um espaço exterior mais sustentável.

As soluções para uma casa mais sustentável existem, agora depende de si implementá-las. Contamos consigo?

A SUA CASA PODE SER MUITO MAIS, COM A LEROY MERLIN.