Porto Rico começou a competir nos Jogos Olímpicos, de forma independente, em Londres 1948. Conquistou desde logo uma medalha, por intermédio de Juan Venegas no boxe, e criou aí uma tendência: as cinco medalhas seguintes, entre pratas e bronzes e até Atlanta 1996, foram todas no boxe. A dinâmica só se alterou em 2012, novamente em Londres, quando Jaime Espinal e Javier Culson chegaram ao pódio na luta livre e nos 400 metros barreiras. Mas os momentos altos da história olímpica de Porto Rico ainda estavam por chegar.

Em 2016, no Rio de Janeiro, Monica Puig tornou-se a primeira porto-riquenha a conquistar uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos ao vencer no ténis, batendo Angelique Kerber na final. Três anos depois, em 2021 e em Tóquio, Jasmine Camacho-Quinn tornou-se a segunda porto-riquenha a conquistar uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos ao vencer nos 100 metros barreiras sem dar qualquer hipótese à concorrência.

A atleta de 24 anos era a grande favorita, depois de ter pulverizado o recorde olímpico da distância ainda na meia-final, e não desiludiu na derradeira decisão. Apesar de representar Porto Rico oficialmente, Jasmine nasceu em Ladson, na Carolina do Sul, e cresceu ao longo de todo o percurso do atletismo norte-americano, entre o competitivo desporto universitário e os decisivos trials de acesso às grandes competições. Filha e irmã de três atletas — o pai fazia provas de barreiras, a mãe era velocista e competia no salto em comprimento e o irmão é jogador dos Chicago Bears na NFL –, Jasmine pegou nas origens da mãe, que nasceu em Trujillo Alto, Porto Rico, e decidiu representar o país das Caraíbas de forma oficial.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em Tóquio, a atleta era a única representante de Porto Rico que ainda restava e por isso era a última esperança do país na demanda de conquistar, pelo menos, uma medalha olímpica. Jasmine, que no Rio de Janeiro não foi à final dos 100 metros barreiras depois de tropeçar ainda na meia-final, não falhou. E tornou-se a segunda a levar a bandeira porto-riquenha ao degrau mais alto do pódio olímpico.