A Câmara da Lousã e a Associação Empresarial Serra da Lousã (AESL) denunciaram esta terça-feira a falta de igualdade no regime de descontos aplicado na Autoestrada 13, que liga Entroncamento a Coimbra, comparativamente a outras autoestradas do interior.

A portaria recentemente publicada pelo Governo estabelece um tarifário no qual os descontos efetuados na A13 são “significativamente menos vantajosos, quando comparados com outras vias como a A22, A23, A23 e A25”, refere em comunicado conjunto.

Segundo a nota, aquela preocupação foi reforçada pelo presidente da Câmara Municipal, Luís Antunes, no Conselho Intermunicipal da CIM Região de Coimbra, que remeteu uma comunicação à ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.

No ofício enviado, a Comunidade Intermunicipal (CIM) Região de Coimbra solicita esclarecimentos sobre o modelo de descontos e reforça “o desagrado e incompreensão” pelos descontos efetuados pela utilização da A13 serem inferiores aos praticados noutras vias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A implementação de descontos nesta autoestrada “tem sido um objetivo pelo qual a Câmara Municipal, a Associação Empresarial e outros parceiros têm lutado, sendo entendimento destas entidades e pessoas que — apesar da importância da redução do tarifário ser uma boa media — o mais adequado seria a abolição de portagens, especialmente nesta fase e atendendo às dificuldades adicionais criadas às empresas pela pandemia“.

O presidente da Câmara da Lousã, Luís Antunes, sublinhou que a A13 “é uma via extremamente importante para o desenvolvimento dos concelhos do interior, especialmente para as empresas que diariamente fazem um enorme esforço para gerar valor, muitas das vezes em situações menos favoráveis quando comparadas com zonas com melhores acessibilidades”.