O grupo que terá entrado no petroleiro Asphalt Princess sem autorização abandonou a embarcação, esta quarta-feira, segundo a Marinha britânica, que não forneceu mais pormenores sobre o incidente. “O embarcação está segura”, reportou o grupo, citado pela EuroNews.

O Reino Unido tinha reportado, esta terça-feira, um “potencial sequestro” de um petroleiro na costa dos Emirados Árabes Unidos, conforme garantia por fonte do ministério da Defesa britânico à Sky News. De acordo com a Operação de Supervisão do Comércio Marítimo do Reino Unido, o incidente terá acontecido a 97 quilómetros a leste de Fujairah. Um grupo armado composto por oito ou nove indivíduos terá subido a bordo da embarcação Asphalt Princess.

“Foi um embarque não autorizado no Golfo de Omã”, assegurou a mesma fonte à publicação já citada. Embora não haja qualquer ligação britânica ao petroleiro alegadamente sequestrado, um porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido disse estar a “investigar de forma urgente” o incidente. Isto acontece depois de a Associated Press ter reportado, mais cedo no dia, que pelo menos quatro embarcações —  Queen Ematha, Golden Brilliant, Jag Pooja e Abys — emitiram avisos alertando que tinham perdido controlo das respetivas direções.

Israel e Irão numa guerra de surdina

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A AP também esclarece que o incidente — que o ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão garante ser “suspeito”, negando qualquer envolvimento do país — surge numa altura de tensões crescentes entre o Irão e o Ocidente por causa do acordo nuclear. Já fontes consultadas pelo The Times acreditam que Asphalt Princess foi sequestrado e em cima da mesa está a hipótese de os responsáveis serem militares iranianos ou mercenários ao serviço do Irão.

Mais recentemente, os EUA, Reino Unido e Israel culparam o Irão por um ataque com drones a um petroleiro na costa de Omã que resultou na morte de duas pessoas.

Atualizado às 9h15 de dia 4 de agosto