O presidente do CDS-PP considerou na quarta-feira “um tiro de bazuca no pé dos portugueses” a atribuição de apoios comunitários à habitação, financiados pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

Na sequência de uma notícia do Correio da Manhã, que dava conta de um buraco de mil e seiscentos milhões de euros no programa de apoio de acesso à habitação, Francisco Rodrigues dos Santos criticou os apoios comunitários atribuídos a projetos de habitação e acusou o ministro Pedro Nuno Santos de “prometer aos portugueses” e não “cumprir”.

“Começou por afirmar que eram apoios a fundo perdido a 100% para projetos de habitação, agora vem dizer que é só os primeiros e que se calhar já não é uma percentagem a fundo perdido, se calhar mais tarde vem dizer que não há dinheiro para ninguém e que esta bazuca vai ser um tiro de bazuca no pé dos portugueses, sobretudo nas famílias mais vulneráveis que precisam de uma habitação condigna para constituir a sua família e ter uma vida com qualidade”, afirmou Francisco Rodrigues dos Santos na apresentação dos candidatos à câmara de Cantanhede do CDS-PP.

O líder do CDS-PP disse que o ministro das Infraestruturas e da Habitação prometeu ao presidente da Associação Nacional de Municípios (ANMP) e a vários autarcas que “em ano de eleições autárquicas esta bazuca serviria para financiar a 100% e a fundo perdido projetos de habitação”.

Francisco Rodrigues dos Santos acusa o ministro de ser “exímio nas artes da representação, a fingir que não disse, dizendo que não prometeu aquilo que prometeu aos portugueses”.

Acho que ele até tem bastante talento para ser ator principal no PS dada à velocidade que se contradiz e muda de opinião e mente aos portugueses”, sublinhou.

Para o presidente do CDS, “em ano de autárquicas vale tudo”, destacando que os autarcas no terreno criaram “expectativas à população”, expectativas essas que “vão pelo cano abaixo porque o partido socialista representa, mente e atira o dinheiro dos outros para cima dos problemas e vai-se a ver e essa verba depois não está disponível”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR