Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A F-150 Lightning, a pick-up eléctrica que o construtor norte-americano apresentou e que apenas prevê começar a produzir em 2022, ainda está longe de chegar ao mercado, mas a Ford já a considera um sucesso. De acordo com a Reuters, depois de ter previsto inicialmente um volume de produção anual de 40.000 unidades, o construtor elevou para 80.000/ano a capacidade instalada, para satisfazer a procura.

Uma fonte associada à Ford confirmou que na empresa “há uma surpresa muito agradável associada à procura pela Lightning”, fruto de clientes particulares e, sobretudo, de empresas desejosas de diminuir as emissões poluentes das suas frotas, reduzindo simultaneamente os custos operacionais. Isto é confirmado pelo facto da marca anunciar que possui já 120.000 pré-encomendas para a nova F-150 Lightning.

Aproveitando a actual onda de apoio aos veículos com zero emissões de dióxido de carbono, com o Governo de Biden a alocar 174 mil milhões de dólares ao estímulo à aquisição de modelos eléctricos, bem como à criação de uma infra-estrutura de recarga compatível com o volume de veículos a bateria que se antecipa venha estar em breve em circulação, a Ford não terá ficado propriamente na defensiva pelo incremento do número de clientes a revelar interesse na pick-up eléctrica. De recordar que a Tesla anunciou ter reunido 250.000 pré-encomendas em Novembro de 2019, número que foi actualizado pela Forbes para 500.000 em Fevereiro de 2020, com os especialistas no mercado a estimarem agora um volume de encomendas próximo de 1,25 milhões de Cybertruck.

A Ford prevê entregar as primeiras 15.000 F-150 Lightning em 2022, para evoluir a produção para 55.000 em 2023, estimando nós que a fasquia dos 80.000 seja alcançada em 2024. Segundo a Reuters, só com a chegada da próxima geração da pick-up, em 2025, provavelmente já concebido sobre um chassi para veículos 100% eléctricos, é que a produção atingirá 160.000 Lightning por ano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR