O candidato da CDU à presidência Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, assinalou esta quinta-feira a melhoria das condições de trabalho no município, com um investimento total de quase cinco milhões de euros em equipamentos e instalações.

“Investimos mais de dois milhões de euros, neste mandato, em equipamentos gerais e, em termos de instalações, também vamos investir na ordem dos dois milhões e meio a três milhões”, afirmou o cabeça de lista da coligação PCP/PEV.

Pinto de Sá deu como exemplo do investimento realizado as obras no edifício dos Paços do Concelho, que estão em curso, e noutros imóveis municipais, assim como a compra de máquinas e equipamentos.

O candidato da CDU, que falava à agência Lusa no final de uma ação de contacto com trabalhadores da autarquia, junto aos Paços do Concelho, considerou, no entanto, que o investimento feito nesta área “é insuficiente”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“A situação a que se tinha chegado”, com a anterior gestão do PS, que perdeu o município para a CDU nas autárquicas de 2013, “era degradante e recuperar desse nível tão baixo é difícil”, salientou.

Segundo Pinto de Sá, que vai tentar um terceiro mandato nestas autárquicas, os veículos afetos à área da higiene e limpeza pública tinham, em 2013, uma “média de idades de 20 anos”.

O cabeça de lista da coligação PCP/PEV prometeu procurar “reforçar os investimentos”, mas avisou que, no próximo mandato, caso seja reeleito, “infelizmente não é possível ainda resolver tudo”.

Carlos Pinto de Sá reCferiu que, em 2013, com a entrada da gestão CDU, “houve uma rutura com a anterior política de desrespeito pelos trabalhadores” e passou a existir “uma particular atenção aos seus direitos”.

“Tínhamos trabalhadores que estavam à espera de poder passar para outras carreiras, porque, entretanto, estudaram, fizemos o levantamento” e, com a introdução de “regras gerais”, já “mais de 140” funcionários beneficiaram dessa progressão, adiantou.

Por outro lado, sublinhou, foram resolvidos os casos de precariedade de “mais de 50 trabalhadores” da câmara, que tinham contratos a prazo e que, através de concurso, ficaram com um “contrato mais seguro”.

O candidato notou ainda que a Câmara de Évora esteve ao lado dos trabalhadores na “luta pelas 35 horas” semanais de trabalho, assinou o “primeiro acordo coletivo de trabalho com o STAL” e foi das “primeiras do país a atribuir o Subsídio de Insalubridade e Risco”.

Nestas eleições, além de Carlos Pinto de Sá, estão na corrida à Câmara de Évora José Calixto (PS), Henrique Sim-Sim (PSD/CDS-PP/MPT/PPM), Raul Rasga (BE), Florbela Fernandes (coligação formada por Nós, Cidadãos!/RIR) e Carlos Magno Magalhães (Chega).