Obrigado por ser nosso assinante. Não se esqueça de subscrever a nossa Newsletter exclusiva dos bastidores.

À partida, dez testes negativos e 21 dias de quarentena seriam mais do que suficientes para despistar a hipótese de uma pessoa ser portadora do SARS-Cov-2. Ainda assim, o paciente que supostamente deu origem ao último surto de Covid-19 na China passou por todas estas precauções sem o vírus ter sido detetado.

Lin viajou de Singapura para a China, mais concretamente para Xiamen, com testes negativos e fez dois isolamentos — um num hotel à chegada, onde também foi regularmente testado, e outro em casa. Depois disso, o seu filho testou positivo e transmitiu o vírus a um colega da escola. Na última sexta-feira, diz o El Mundo, os testes de Lin revelaram que tinha sido infetado pela variante Delta.

“Cerca de 95 a 99% das infecções permanecem fáceis de detectar. A forte infecciosidade e cargas virais da variante Delta significam que os casos são facilmente detectados por testes regulares de ácido nucleico. O período de incubação aparentemente maior que se verifica neste paciente é bastante incomum“, disse o Dr. Peng Zhiyong, da unidade de terapia intensiva do Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan.

Desde 10 de setembro, a província costeira de Fujian registou uma subida dos zero casos para os 100 em quatro dias, num país que recuperou alguma normalidade poucos meses depois do início da pandemia. A maioria das infeções está na cidade de Putian, que tem três milhões de pessoas, mas esta segunda-feira apareceram novos casos também em Xiamen, cidade que tem cinco milhões de habitantes e onde vive Lin.

O “modo de guerra” foi reativado na China. É o termo usado pelas autoridades de saúde para avisar os cidadãos de que há um novo surto de coronavírus e que vão começar confinamentos e testes de PCR em massa. Pequim sempre deixou claro que a sua política é erradicar o vírus e não aprender a conviver com ele, falando em “tolerância zero”. Mais de 890 milhões de pessoas, 63% da população total chinesa, já têm a vacinação completa. O país representa cerca de 40% das cerca de 5.000 milhões de vacinas administradas em todo o mundo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR