Os resultados provisórios de um estudo em curso até agosto de 2022 identificou 249 pessoas na condição de sem-abrigo nos Açores, a “maior parte” nas ilhas de São Miguel e Terceira, revelou hoje a associação Novo Dia.

Segundo um comunicado de imprensa da Novo Dia — Associação para a Inclusão Social, com sede em São Miguel, o estudo “À Margem — Trajetórias de vida de rua”, foi realizado no âmbito da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em situação de sem abrigo 2017-2023 (ENIPSSA).

O estudo identificou “249 pessoas numa condição de sem abrigo na região”: 65 na situação de “sem teto” (que vivem em espaços públicos ou em locais precários) e 184 na condição de “sem casa” (que vivem em alojamentos temporários ou em quartos pagos pelos serviços sociais).

“A maior parte das situações identificadas estariam concentradas nas ilhas de São Miguel e Terceira”, avança o comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O estudo, “inédito” nos Açores, vai decorrer até agosto de 2022 em parceria com “entidades de atuação ao nível local”, como autarquias, serviços de ação social e instituições particulares de solidariedade social, refere aquela entidade.

“Ainda não foram recolhidos todos os inquéritos, sendo de prever que a real dimensão do fenómeno esteja ainda subestimada”, acrescenta.

O estudo, coordenado pelo sociólogo Paulo Fontes, é financiado pela direção regional de Ciência e Tecnologia e tem como parceiros o Instituto de Segurança Social dos Açores e várias associações de cariz social da região.

Numa segunda fase do estudo prevemos fazer uma caracterização dos contextos associados à ocorrência, ou não, deste tipo de fenómeno, tendo por base indicadores de natureza estrutural e política”, conclui o comunicado.

A ENIPSSA 2017-2023 foi aprovada em julho de 2017 pelo Conselho de Ministros do Governo da República.