O cabeça de lista da coligação Juntos Somos Coimbra, José Manuel Silva, defendeu esta quarta-feira uma Câmara mais proativa na atração de investimento, prometendo uma “via verde” para empresários para acabar com lentidão dos processos.

“Precisamos de reindustrialização e de uma câmara muito mais proativa na procura do investimento. O presidente deve ser um embaixador da marca de Coimbra, que procura ativamente investimento noutras regiões do país e a nível internacional”, afirmou o candidato da coligação Juntos Somos Coimbra (PSD/CDS-PP/Nós, Cidadãos!/PPM/Volt/RIR /Aliança), que falava à agência Lusa numa visita ao edifício devoluto da antiga fábrica da Triunfo, na Pedrulha.

Para José Manuel Silva, “Coimbra tornou-se conhecida pelos seus esqueletos industriais e quase que podia ser um museu aberto de arqueologia industrial”, considerando que a autarquia demora a tomar medidas para atrair investimento por forma a “dar nova vida a estes espaços”.

O candidato considera que o município é tão lento na resolução de processos burocrático que “torna incompatível o investimento”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Temos que responder rapidamente, criar uma via verde para o investimento, criar o Conselho Estratégico para o Investimento e Desenvolvimento de Coimbra, ligando todas as forças vivas”, defendeu, apontando para o exemplo do concelho vizinho de Cantanhede, que responde em 30 dias aos empresários que queiram investir.

Segundo o cabeça de lista da coligação Juntos Somos Coimbra, o concelho “tem todas as condições para ter um desenvolvimento económico acelerado”, apontando para as boas infraestruturas nas áreas da saúde e educação, boas acessibilidades e uma “centralidade geográfica”.

“Temos todas as condições, mas falta uma: Uma Câmara que funcione adequadamente, que dê respostas céleres, que seja transparente, que facilite a vida ao investidor e que reduza as taxas”, salientou.

Face à “lentidão de processos”, José Manuel Silva acredita que o concelho vai “perder o comboio do Plano de Recuperação e Resiliência, que tem um curto espaço de tempo para a sua execução”, sendo necessário uma autarquia eficiente na elaboração de propostas e candidaturas.

O candidato realçou que só com atração de investimento será possível inverter o declínio demográfico do concelho, que perdeu população, especialmente jovem, quando outras cidades médias ganharam, como Aveiro, Braga ou Leiria.

“Nós precisamos de reindustrialização. Se não, continuaremos a perder população”, sentenciou.

Para além de José Manuel Silva, concorrem o atual presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado (PS), Francisco Queirós (CDU), Gouveia Monteiro (Cidadãos por Coimbra), Miguel Ângelo Marques (Chega), Filipe Reis (PAN), Inês Tafula (PDR/MPT) e Tiago Meireles Ribeiro (Iniciativa Liberal).