O primeiro-ministro são-tomense, Jorge Bom Jesus anunciou, esta quinta-feira, que vai iniciar a recuperação do Hospital de Monte Café, “desativado” há mais de 15 anos, como “solução rápida” para acolher doentes de Covid-19 que aumentam no arquipélago.

O Hospital de Monte Café é uma herança do período colonial e está localizado no distrito de Mé-zóchi, há cerca de quinze quilómetros da cidade de São Tomé.

“É um património que está praticamente desativado há mais de uma década e meia”, disse o primeiro-ministro anunciando que vai iniciar os trabalhos de recuperação da infraestrutura, nos próximos dias, para encontrar “uma solução rápida, porque os casos [de Covid-19] estão a subir”.

Jorge Bom Jesus disse que “hoje, o Hospital [Central] está a encher e o governo vê-se a braços”, por isso prepara-se para “reverter esta situação”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O primeiro-ministro explicou que o Governo vai começar por recuperar uma parte do antigo Hospital “para acolher os doentes de Covid-19”, mas ainda este ano vai recuperar toda a infraestrutura que vai “contribuir para melhorar o sistema de saúde” de São Tomé e Príncipe.

“É uma estrutura bastante grande, com várias valências”, afirmou o chefe do Governo assegurando que vai aproveita-lo “para desafogar, nesta primeira parte, o Hospital Central e a própria delegação de Saúde do distrito de Mé-zóchi”.

Jorge Bom Jesus considerou que a obra “é uma emergência”, para permitir “albergar os doentes com maior dignidade e decência”.

“Nós não podemos ter doentes a dormir no chão e a serem cuidados no chão, por isso nós vamos agir rapidamente e mobilizar sinergias”, afirmou o chefe do Governo.

Para reabilitar o Hospital de Monte Café, Jorge Bom Jesus disse que vai “encontrar recursos ao nível do Orçamento Geral de Estado”, e acrescentou que também vai “bater portas aos parceiros, como já é habitual”.

Até iniciar as obras de reabilitação desta infraestrutura, o primeiro-ministro avançou que alguns doentes de Covid-19 vão ser colocados numa unidade hoteleira do país, onde também já acolheu as primeiras pessoas que ficaram em quarentena quando surgiram os primeiros casos no país.

São Tomé e Príncipe registou mais 91 casos de infeção pelo novo coronavírus e 15 recuperações nas últimas 24 horas, elevando o total de infetados desde o início da pandemia para 2.984, anunciaram, esta quinta-feira, as autoridades do país.