Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

O fim está próximo. Não somos nós que o dizemos, é o que Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence têm para anunciar à presidente dos EUA, Meryl Streep. Um cometa gigante está a caminho da Terra — mas histórias destas já ela está farta de ouvir. Nós também, embora “Não Olhem Para Cima” em nada se assemelhe ao que se tem feito sobre apocalipses prestes a acabarem com a humanidade. Se DiCaprio e Lawrence são capazes de salvar o mundo, só irá descobrir-se a 24 de dezembro, quando a história ficar disponível na Netflix, mas até lá chegam outros filmes imperdíveis que nem vão passar pelos cinemas. É nos streamings que se instalam desde o primeiro minuto.

Alguns ainda não têm trailer mas até 31 de dezembro haverá para ver o novo projeto de Paolo Sorrentino, “The Hand of God”, que mistura memórias pessoais do realizador com a chegada de Diego Maradona a Nápoles. A contagem decrescente para o aguardado “Duna”, de Denis Villeneuve, não terá de ser adiada mais nenhuma vez e Keanu Reeves está a caminho com “The Matrix Resurrections”.

Três atrizes bem conhecidas estreiam-se na realização: Halle Berry com “Ferida”, Maggie Gyllenhaal com “The Lost Daughter” e Rebecca Hall com “Passing”. Além destas três mulheres, Jane Campion (que em 1994 ganhou os Óscares de Melhor Argumento Original e Melhor Realização com “O Piano”) dirige o primeiro filme em 12 anos. “O Poder do Cão” junta Benedict Cumberbatch, Kirsten Dunst e Jesse Plemons.

Mas em vez de continuar com os resumos, o Observador fez a lista dos melhores filmes que se estreiam até ao final de 2021 e que vão estar disponíveis nas plataformas de streaming.

“O Culpado”

Netflix, 1 de outubro

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nic Pizzolatto (“True Detective”) escreveu a adaptação a partir de uma história original dinamarquesa que foi premiada em Sundance em 2018. Antoine Fuqua (“Os Sete Magníficos”) realizou e Jake Gyllenhaal fez basicamente o resto do trabalho.

A história passa-se durante um único dia. Gyllenhaal é Joe Baylor, um polícia destacado para atender chamadas de emergência. Quando, num dos telefonemas, percebe que do outro lado está uma mulher raptada, a sua manhã transforma-se naquele único caso, que parece impossível de resolver.

Há atores dos quais só ouvimos a voz (é o caso de Ethan Hawke, Peter Sarsgaard ou Riley Keough), o que faz lembrar um bocadinho “Locke”, filme de 2013 no qual apenas vemos Tom Hardy a conduzir e a fazer telefonemas atrás de telefonemas.

“The Many Saints of Newark”

HBO Max, 1 de outubro

Há uma boa e uma má notícia: a boa é que há duas horas inteirinhas para voltar a mergulhar no mundo de “Os Sopranos”. A má é que, como esta é uma produção da HBO Max — e a HBO Portugal só fará a transição para Max em 2022 —, “The Many Saints of Newark” não ficará disponível no nosso catálogo logo a 1 de outubro. Não há data anunciada ainda.

É a prequela da série de culto centrada na máfia de Nova Jérsia, EUA, e passa-se nas décadas de 60 e 70. Michael Gandolfini interpreta uma versão jovem de Tony Soprano, ficando assim com o papel que foi do pai, James Gandolfini, durante as seis temporadas do projeto.

David Chase, o criador de “Os Sopranos”, está envolvido na produção, mas a realização foi de Alan Taylor (que dirigiu episódios de “A Guerra dos Tronos”, “Terapia”, “Boardwalk Empire” e, claro, “Os Sopranos”). Vera Farmiga, Jon Bernthal e Alessandro Nivola fazem parte deste novo elenco.

“Duna”

Cinemas/HBO Max, 21/22 de outubro

Denis Villeneuve, o homem responsável por “Sicário — Infiltrado” (2015) ou “O Primeiro Encontro” (2016), tem nos seus ombros a maior expetativa deste final de ano. Adiado mais do que uma vez devido à pandemia, o filme estreia-se na HBO Max a 22 de outubro mas, mais uma vez, esse upgrade ainda não existe em Portugal. No entanto, desta vez os portugueses ficam a ganhar e podem correr para as salas de cinema um dia antes, já que “Duna” estará em exibição nas salas de todo o País a partir de 21 de outubro.

Timothée Chalamet é o protagonista. A ele juntam-se Rebecca Ferguson, Oscar Isaac, Zendaya, Javier Bardem, Josh Brolin, entre vários outros nomes conhecidos.

Baseia-se no livro de de ficção científica de Frank Herbert e segue a jornada de Paul Atreides, membro de uma família nobre que tem como missão proteger um bem valioso no meio de guerras entre planetas num futuro distópico.

Em 1984 houve uma adaptação de David Lynch com Kyle MacLachlan no papel principal. Na altura, as críticas não foram incríveis. Em contrapartida, este novo projeto está a ser pensado a longo prazo. Haverá uma série na HBO e está já a ser preparado o “Duna 2”.

“Finch”

Apple TV+, 5 de novembro

É realizado por Miguel Sapochnik (que conduziu muitos dos melhores episódios de “A Guerra dos Tronos”, como “Battle of the Bastards” ou “Hardhome”), mas aqui não há dragões. Saltamos para um mundo pós-apocalipse, onde existem robots. O desta história é criado por Finch (Tom Hanks), um inventor que está a morrer e precisa que alguém tome conta do cão quando ele já cá não estiver. E assim começa uma relação entre humano e máquina e esta tem de aprender o que é a amizade, o amor e os sentimentos.

Desde 2017 que o argumento andava de um lado para o outro em Hollywood. Inicialmente até tinha outro nome, “BIOS”, mas acabaria por ficar simplesmente com o nome do protagonista e por ser comprado pela Apple TV+.

“Passing”

Netflix, 10 de novembro

É o primeiro filme realizado por Rebecca Hall (“Vicky Cristina Barcelona”, “O Terceiro Passo”) e teve ótimas críticas no Festival de Cinema de Sundance. É a preto e branco e baseia-se num livro com o mesmo nome escrito em 1929 por Nella Larsen.

Estamos em Nova Iorque, nos anos 20. Duas antigas amigas de infância (interpretadas por Tessa Thompson e Ruth Negga) voltam a encontrar-se e uma obsessão comum pode prejudicar a vida que cada uma delas conseguiu construir até ali. Ainda não há trailer oficial disponível.

“Aviso Vermelho”

Netflix, 12 de novembro

É provável que tenha sido o filme que custou mais à Netflix até agora — os jornais norte-americanos referiram 160 milhões de euros, a revista “Variety” escreveu que os custos podem ter chegado aos 200 milhões.

A sinopse parece não ser inovadora mas alguma coisa o filme há-de ter de especial porque todos os grandes estúdios queriam comprá-lo. Ganhou a Netflix e ganharam também os atores. Sabe-se que tanto Dwayne Johnson como Gal Gadot receberam 17 milhões de euros pela participação em “Aviso Vermelho”.

Esta é a história de um assalto que junta três pessoas improváveis: um agente do FBI (Johnson), um criminosos (Ryan Reynolds) e uma mulher que rouba arte (Gadot).

“King Richard”

Cinemas/HBO Max, 18/19 de novembro

Que Serena e Venus Williams são duas das melhores tenistas de sempre toda a gente sabe. Que foi o pai que as treinou quase toda a gente sabe. Porém, há muitos detalhes desconhecidos sobre a forma metódica e rígida como Richard Williams preparou as filhas desde miúdas para serem estrelas mundiais.

É no homem menos mediático, interpretado por Will Smith, que se foca “King Richard”. Mais uma vez, o filme não estará para já disponível na HBO existente em Portugal mas fará parte do catálogo em 2022, assim que a plataforma se transformar em HBO Max. Até lá, a estreia acontece nos cinemas habituais a 18 de novembro.

“tick, tick… BOOM!”

Netflix, 19 de novembro

Não há nada que Lin-Manuel Miranda não faça. Conhecido por “Hamilton”, vencedor de um Tony e de um Pulitzer, estreia-se agora na realização de um filme. “tick, tick… BOOM!” é sobre o percurso do compositor do musical “Rent”.

Andrew Garfield é o protagonista, Jon, e a história acompanha o período em que ele, um jovem compositor de teatro, tenta escrever um sucesso que lhe permita parar de servir às mesas. Tudo é embrulhado pelo turbilhão de Nova Iorque nos anos 90. Além de Miranda, o filme é produzido por Ron Howard e Brian Grazer.

“Ferida”

Netflix, 24 de novembro

É o primeiro filme realizado por Halle Berry, que é também a protagonista. Nesta história ela é  uma antiga lutadora de MMA, afastada da modalidade há vários anos. Arrependida por ter deixado de lutar e a precisar de dar uma volta à vida, é convencida a entrar num combate ilegal para tentar fazer renascer a carreira.

No meio disto tudo aparece-lhe à porta o filho que abandonou em bebé, Manny (Danny Boyd, Jr.). Ainda não há trailer para “Ferida” mas este filme é uma das grandes apostas do streaming para o final do ano, já que a estreia acontece muito perto da temporada de prémios (Óscares, Globos de Ouro).

“O Poder do Cão”

Netflix, 1 de dezembro

É o primeiro filme em 12 anos da realizadora de “O Piano”, Jane Campion. Passa-se nos anos 20, numa herdade perdida algures nos EUA. Phil (Benedict Cumberbatch) é um rancheiro impiedoso de quem toda a gente tem medo. Quando o irmão, George (Jesse Plemons), regressa a casa com a nova mulher, Rose (Kirsten Durst), e o filho dela, Phil tenta tratá-los da mesma forma. Só que há uma coisa com a qual ele não contava: a descoberta do amor.

Como se já não fossem suficientes os nomes referidos acima, o elenco conta com Keith Carradine (“Deadwood”, “Nashville”). A estreia mundial de “O Poder do Cão” aconteceu no Festival Internacional de Cinema de Veneza e Jane Campion venceu o Leão de Prata pela realização.

“The Unforgivable”

Netflix, 10 de dezembro

Ainda não há fotos nem trailer mas sabe-se que Sandra Bullock produz e protagoniza “The Unforgivable”. Ela é Ruth Slater, uma mulher que acaba de sair da prisão, onde cumpriu pena por um crime violento, e que tem agora de tentar voltar à vida normal reintegrando-se na sociedade.

A história baseia-se numa minissérie inglesa de 2009 chamada “Unforgiven”. A versão norte-americana, que passa a ser um filme, conta no elenco com Viola Davis e Jon Bernthal.

“The Hand of God”

Netflix, 15 de dezembro

É o novo filme do Paolo Sorrentino. Não é preciso dizer nada além disto, pois não? Não, mas nós contamos mais qualquer coisa para que seja ainda mais empolgante a espera até 15 de dezembro.

Nápoles, anos 80. Estamos na cidade do realizador (responsável por “A Grande Beleza”, “Il Divo”, “The Young Pope”) e prevê-se que esta história seja uma verdadeira carta de amor às origens de Sorrentino. No entanto, também há tragédias na narrativa que acompanha Fabietto Schisa (Filippo Scotti), um jovem que vibra com a chegada de Diego Maradona, a lenda do futebol que acaba por dar o mote para o nome do projeto. Desporto, cinema, família, amor, perda, está lá tudo.

“Swan Song”

Apple TV+, 17 de dezembro

Não confundir com outro filme de 2021 que se chama igualmente “Swan Song”, mas que é sobre um exuberante cabeleireiro. Este, da Apple TV+, tem Mahershala Ali, Glenn Close e Naomi Harris.

Quando Cameron (Ali) descobre que está a morrer, a médica (Close) dá-lhe uma opção pouco comum para que a sua família não sofra. Quem morre pode ser substituído por um clone, já que esta é uma história de ficção científica. Ainda não tem trailer.

“The Matrix Resurrections”

Cinemas/HBO Max, 16/22 de dezembro

Já se falou, escreveu, especulou tanto sobre este filme e agora há finalmente uma luz (ou uma data) ao fundo do túnel. Quem conseguir aguentar até 2022, terá acesso a “The Matrix Resurrections” na plataforma da HBO Max. Quem não for capaz de esperar mais, poderá ir a uma sala de cinema a partir de 16 de dezembro.

Neo (Keanu Reeves) está de volta, Trinity (Carrie-Ann Moss) está de volta e bastam estes dois nomes para termos vontade de mergulhar de novo na trilogia que começou em 1999. Neo não tem muita vontade de regressar a esse mundo mas começa a ser atormentado por memórias sinistras que não lhe deixam alternativa.

Além de tudo isto, há uma data de nomes conhecidos que se juntam a este quarto filme: Neil Patrick Harris, Christina Ricci, Jada Pinkett Smith e Priyanka Chopra, entre outros.

“Não Olhem Para Cima”

Netflix, 24 de dezembro

Pediram um filme com o Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence ao Pai Natal? Aí está ele, entregue a tempo da Consoada. Se fizer justiça ao trailer, este vai ser o melhor presente que o final de 2021 nos poderá dar. E o fim está mesmo próximo. Quer dizer, pelo menos nesta história que junta drama, ficção científica e comédia, está.

Randall Mindy (DiCaprio) e Kate Dibiasky (Lawrence) são dois astrónomos que tentam avisar o mundo — ou a presidente dos EUA, vá, interpretada por Meryl Streep — que há um cometa gigante a caminho da Terra.

“Não Olhem Para Cima” foi escrito e realizado por Adam McKay, responsável por “Vice”, e o elenco parece um desfile de estrelas: Cate Blanchett, Jonah Hill, Timothée Chalamet, Matthew Perry, Mark Rylance, Ron Perlman e até Ariana Grande.

“The Lost Daughter”

Netflix, 31 de dezembro

Primeiro filme realizado por Maggie Gyllenhaal, adaptado de um livro com o mesmo nome de Elena Ferrante. No Festival Internacional de Cinema de Veneza “The Lost Daughter” venceu o prémio Golden Osella de Melhor Argumento.

Olivia Colman é a protagonista, Leda. Está de férias e tudo descamba quando vê uma família que a deixa obcecada e lhe desencadeia memórias da sua própria vida. Tem Dakota Johnson, Paul Mescal, Ed Harris e Peter Sarsgaard mas trailer ainda não há.