Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

Valentino Rossi, muito provavelmente o melhor piloto que já passou pelo MotoGP, a categoria rainha do motociclismo de velocidade, anunciou o abandono das pistas para o final de 2021, mas quase em simultâneo revelou a criação de mais um negócio sob a sua marca VR46: a comercialização de bicicletas eléctricas de BTT.

Há muito que Rossi deixou de ter o motociclismo de competição como a sua única actividade. Além de principescamente remunerado como piloto, investimento que sempre retribuiu com títulos e vitórias em todas as categorias, o ás italiano começou desde cedo a gerir os seus patrocínios, dos capacetes AGV aos fatos da Dainese, passando pelos óculos da Oakley, as pequenas câmaras da GoPro e as bebidas energéticas da Monster. Isto sem esquecer a sua equipa de competição, em que acolhe e forma jovens pilotos que acha promissores.

5 fotos

Agora aposta nas bicicletas eléctricas, que desenvolveu com a MT Distribution, uma empresa italiana especializada em mobilidade eléctrica, entre outras actividades. A e-bike VR46 vai ser apresentada ao público no próximo EICMA, o salão dedicado às duas rodas que arranca em Milão, a 25 de Novembro.

É do conhecimento geral que Rossi já conduziu todo o tipo de veículos de competição, de F1 a carros de ralis, passando pelas motos de motocross, mas é com estas últimas que passa mais tempo. Daí um profundo conhecimento do que é circular em pisos de terra, com saltos, derrapagens e tudo o mais que o BTT tem para dar.

4 fotos

A e-bike VR46, cujas especificações e preço apenas serão revelados no EICMA, recorre a uma série de peças em fibra de carbono, para reduzir o peso, bem como a suspensões à frente e atrás, muito provavelmente fornecidas pela Ohlins, uma vez que o reputado fabricante de amortecedores e molas é um dos patrocinadores da VR46.

A bateria está montada na parte inferior do quadro, para baixar o centro de gravidade, o que melhora o comportamento da e-bike, uma vez que a bicicleta eléctrica não foi concebida para passeios em família, visando uma utilização mais radical, segundo o CEO da empresa VR46 Racing Apparel, Alberto Tebaldi.

O motor eléctrico e a gestão de energia ficaram a cargo da Bosch, com a Flip Chip a assegurar a tecnologia que permite adaptar a geometria às condições de utilização.

A VR46 vai construir duas versões da e-bike, uma Premium e outra Limited Edition, ambas limitadas a 46 exemplares cada. O preço de cada um destes “brinquedos” para BTT será conhecido dentro de dois meses.