O cabeça de lista do Iniciativa Liberal à Câmara de Coimbra, Tiago Meireles Ribeiro, disse esta segunda-feira que, se for eleito, vai aumentar a oferta de habitação a preços acessíveis para fixar população e acabar com edifícios devolutos.

“Se quisermos ter um papel no futuro e atrair e fixar jovens, precisamos de ter uma habitação com preços adequados à realidade”, afirmou o candidato, à agência Lusa.

Para o cabeça-de-lista da Iniciativa Liberal, “há muito a fazer” para acabar com os edifícios devolutos na cidade.

“A governação socialista [de Manuel Machado] podia fazer mais para acelerar a reabilitação, o que muitos privados tentam fazer, mas deparam-se com burocracias a nível de prazos e custos de licenciamento”, criticou, dando o exemplo de um proprietário que obteve um indeferimento ao projeto passados seis anos de o ter apresentado na Câmara.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para tornar Coimbra numa “cidade modelo na área da habitação”, os liberais pretendem efetuar o inventário de todo o património habitacional, desburocratizar e digitalizar processos e simplificar as decisões e conceder incentivos ao investimento, através de medidas fiscais atrativas.

A candidatura defende também a dinamização de zonas esquecidas da cidade, revitalizando o respetivo espaço público, a fiscalização e o combate ao alojamento ilegal e o aumento da oferta de habitação em quantidade e qualidade, incentivando a iniciativa privada.

Nestas eleições autárquicas, concorrem à Câmara de Coimbra o atual presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado (PS), José Manuel Silva (coligação PSD/CDS-PP/Nós, Cidadãos!/PPM/Volt/RIR/Aliança), Francisco Queirós, (CDU), Gouveia Monteiro (Cidadãos por Coimbra), Miguel Ângelo Marques (Chega), Filipe Reis (PAN), Tiago Meireles Ribeiro (Iniciativa Liberal) e Inês Tafula (Coligação Coimbra é Capital — PDR/MPT).

Nas anteriores eleições, o PS conquistou cinco mandatos na Câmara de Coimbra, a coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM conseguiu três, o movimento Somos Coimbra alcançou dois e a CDU um.