Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A reconstrução da catedral de Notre Dame, em Paris, vai começar este inverno depois de dois anos e meio de obras de segurança e de consolidação devido a atrasos causados pela pandemia de Covid-19.

Na noite do incêndio, em 15 de abril de 2019, o presidente francês, Emmanuel Macron, prometeu, no meio dos destroços, que Notre Dame iria ser reconstruída em cinco anos, mas a pandemia atrasou todo o processo já que as obras de segurança e consolidação ficaram paralisadas durante vários meses.

O general Jean-Louis Georgelin, presidente do organismo público responsável pela reconstrução da catedral — que data do século XII — confirmou o novo calendário oficial.

“A catedral está definitivamente segura. A sua reconstrução pode começar neste inverno”, afirmou segundo a ABC.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois do incêndio, houve um debate sobre como Notre Dame deveria ser reconstruída, com o ex-primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, a sugerir uma abordagem moderna e a abertura de um concurso para redesenhar o pináculo que caiu, embora outros quisessem que uma das mais antigas catedrais francesas continuasse tradicional.

Os segredos do pináculo destruído de Notre-Dame

No entanto, o ano passado, Macron decidiu que toda a catedral deveria voltar a ficar idêntica ao que era antes de ser atingida pelas chamas, incluindo o pináculo — originalmente feito de madeira e caiu nas primeiras horas do incêndio.