Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

O anúncio chegou no passado dia 15 e a nomeação tornou-se efetiva esta segunda-feira, 20 de setembro: Tomoaki Nagao, aka Nigo, designer ao leme da A Bathing Ape (ou BAPE), é o novo diretor artístico da marca fundada em 1970 por Kenzo Takada, que morreu em outubro de 2020, vítima de Covid-19.

“Nasci no ano em que Takada Kenzo san abriu a sua primeira loja em Paris. Ambos nos formámos na mesma escola de moda em Tóquio”, escreveu Nigo no comunicado partilhado através das suas redes sociais, adiantando ainda outra ligação temporal à marca a que agora se une (e que acolhe no seu acervo, entre milhões de outras peças). “Em 1993, o ano em que a KENZO se juntou ao grupo LVMH, comecei a minha carreira na moda”

O recurso na mensagem ao termo san (pessoa) frequente na língua e cultura nipónica, num sinal de respeito, alude a este regresso dos destinos da KENZO a mãos japonesas, apesar de a maison sediada em Paris ser uma das dezenas de marcas integradas no enorme conglomerado de luxo francês LVMH, que a adquiriu a Takada nesses primeiros anos da década de 90 — natural de Maebashi, Nigo está radicado em Tóquio e destaca ainda na sua publicação a “compreensão das diferentes culturas” enquanto motor da originalidade, filosofia sublinhada no trabalho de Takada e na qual o recém-chegado admite rever-se.

O novo diretor criativo, que também passou pela Uniqlo, irá substituir nesta posição o português Felipe Oliveira Baptista, que deixou a KENZO no final do passado mês de junho, cerca de dois anos depois de encetar a sua colaboração com a marca, um consulado inevitavelmente ensombrado pela pandemia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Da sofisticação das silhuetas de Baptista para o combustível de streetwear de Nigo, também DJ, produtor, membro da banda de hip hop Teriyaki Boyz, e herdeiro da marcha pioneira desencadeada por nomes como Kenzo ou Yohji Yamamoto, que apresentaram ao mundo ocidental as criações nipónicas. Ah, e head design e co-proprietário da marca Billionaire Boys Club, criada em 2003 com o produtor Pharrell Williams.

Grand Opening Of Billionaire Boys Club Flagship In NYC

Pharrell Williams e Nigo na inauguração da loja Billionaire Boys Club Flagship em novembro de 2016 © Dimitrios Kambouris/Getty Images for Billionaire Boys Club )

O designer, que começou por popularizar-se entre os adolescentes, vendendo hoodies (e com o CV a justificar uma pausa no modelo BAPE STA, os icónicos ténis criados no ano 2000), soma três décadas de inovação no pronto-a-vestir urbano, um eficaz trampolim para o ascensão no seio de uma LVMH que tem apostado as fichas neste segmento, colocando-o sem temores ao serviço do luxo e da sua reinvenção — é atentar em Virgil Abloh (Off-White™) na LV ou em Matthew M. Williams (1017 Alyx 9SM), na direção criativa da Givenchy desde junho de 2020. De resto, no ano passado, Nigo (que em 2010 lançava a Human Made) assinou com Abloh uma coleção cápsula para a Louis Vuitton.

A nomeação de Nigo não é a única novidade recente no núcleo da KENZO. Sylvain Blanc, que administrava a marca de lingerie Undiz, assume a direção executiva depois da saída da antiga CEO, Sylvie Colin. A coleção de arranque de Nigo para a KENZO deverá chegar em janeiro do próximo ano.