O presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF), António Moiteiro, defendeu esta quarta-feira “um novo modelo de catequese capaz de gerar um novo sentido de pertença” numa sociedade cada vez mais individual.

Para o também bispo de Aveiro, que no fim de semana participou em Roma num encontro dos responsáveis da catequese das Conferências Episcopais da Europa, “a catequese pode ajudar a criar um novo sentido de comunhão“, desafiando as comunidades cristãs a serem “lugares de compaixão ao jeito de Jesus”.

“A atitude de compaixão, a misericórdia é a atitude de que precisamos hoje para replicarmos o modo como Jesus estava perante as pessoas com que se encontrava”, disse o prelado, citado no ”site” Educris, da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé.

Segundo António Moiteiro, o encontro no Vaticano vincou a necessidade de “conversão para se fazer parte de uma comunidade que acredita num Deus comunhão”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“A catequese tem aqui um papel fundamental. No criar comunidade. A Catequese é abrir a porta e manter essa porta aberta para que outros possam entrar nesta comunhão”, acrescentou, manifestando o propósito de que “haja uma catequese para aqueles que partilham a mesma vida, anseios e aspirações”.

“Não podemos pensar nos filhos sem os pais caminharem com os filhos na transmissão da fé”, sublinhou o presidente da CEECDF.