O cabeça-de-lista do PS à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, assumiu esta quinta-feira a construção de uma unidade de cuidados continuados como a “menina dos olhos” do próximo mandato.

Com agenda preenchida, entre arruadas, contactos com pessoas e sessões de esclarecimentos, o atual presidente do município, que se candidata a um terceiro mandato, explicou à Lusa que a unidade de cuidados continuados ficará instalada na Unidade II do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E), que fica no centro da cidade, depois de as valências ali ainda a funcionar serem transferida para o edifício principal, atualmente em obras e que se localiza a cerca de três quilómetros, perto do Monte da Virgem.

O socialista lembrou que Gaia, no distrito do Porto, sendo o terceiro maior município em termos populacionais do país, não tem um equipamento destes de âmbito público.

“Como é evidente, isso não faz sentido nenhum”, frisou.

Falando num investimento de oito milhões de euros, Eduardo Vítor Rodrigues ressalvou que a autarquia deverá assumir 30% desse valor.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O edifício que acolherá a unidade de cuidados continuados, e onde atualmente funcionam valências como obstetrícia e ortopedia do CHVNG/E, já existe, mas precisa de obras de reabilitação e adaptação para o fim ao qual se destina, sublinhou o candidato do PS à presidência do município.

Este equipamento, além de essencial no concelho, vai ser fundamental para libertar camas do hospital central, servindo como uma espécie de retaguarda à unidade de saúde, disse.

Eduardo Vítor Rodrigues estimou que o projeto deverá estar pronto a arrancar no final do próximo ano.

Além da unidade de cuidados continuados, e no âmbito da transferência de competências na área da saúde, o cabeça-de-lista do PS quer dotar os centros de saúde de mais valências, tornando-os cada vez mais estruturantes e com maior capacidade de resposta.

Reforçando que a saúde “não é uma temática de oportunidade”, o socialista afirmou que as preocupações nesta área prendem-se com uma política de saúde que está a implementar no “vasto território” que é Gaia.

Um dos propósitos passa por gerir os horários dos centros de saúde em função da distância para as urgências do hospital, nomeadamente daqueles que se localizam nas extremidades do concelho, exemplificou.

Ou seja, acrescentou, o objetivo é prolongar o horário de funcionamento desses centros de saúde mais afastados para que as pessoas possam acorrer a esses e não tenham de se deslocar ao hospital.

Para além dos horários, Eduardo Vítor Rodrigues quer introduzir especialidades nos centros de saúde, como medicina oral ou análises, para que as pessoas entendam o centro de saúde não apenas como um sítio onde vão renovar a receita médica.

São cabeça de lista à Câmara de Vila Nova de Gaia nas eleições de domingo o atual presidente, Eduardo Vítor Rodrigues (PS), Vítor Marques (coligação Movimento por Gaia — MPT/PDR), Diana Ferreira (CDU), Renato Soeiro (BE), Alcides Couto (Chega), Cancela Moura (PSD/CDS-PP/PPM), Nuno Gomes de Oliveira (PAN), Orlando Monteiro da Silva (Iniciativa Liberal) e Ana Poças (Livre).