A UEFA aprovou esta quinta-feira um modelo de pagamento solidário de 175 milhões de euros para os clubes ausentes das provas europeias de futebol entre 2021 e 2024, um aumento de 45 milhões em relação ao último ciclo (2018-21).

O novo valor foi decidido numa reunião do Comité Executivo do organismo que rege o futebol europeu que decorreu em Chisinau, na Moldávia, e o novo modelo inclui aumentar a participação financeiro em todas as federações, exceto as chamadas big-5 (Inglaterra, Espanha, Alemanha, Itália e França).

O pagamento solidário reafirma o forte compromisso financeiro da UEFA para com todo o futebol europeu e garante uma maior solidariedade financeira a um maior número de clubes”, explicou o organismo.

A UEFA explicou que, com o aumento para 175 milhões de euros, haverá uma redução das diferenças entre os países com e sem clubes a participar na fase de grupos da Liga dos Campeões e uma “distribuição mais baseada em princípios desportivos justos e reconhecíveis”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“A participação reservada às federações que não figuram nas cinco primeiras posições do ranking vai aumentar para 132,5 milhões de euros, mais cerca de 50 milhões de euros do que no ciclo anterior, o que representa um acréscimo de mais de 60%”, clarificou a UEFA.

Entre 2018 e 2021, a UEFA gastou 130 milhões de euros em pagamentos solidários.