O cabeça de lista do Volt Portugal (VP) à Câmara de Lisboa, Tiago Matos Gomes, considerou esta sexta-feira que o resultado eleitoral obtido na capital (1.012 votos – 0,42%) dá “um certo alento” para votações futuras.

“Foi o único partido [sem representação parlamentar] que conseguiu mais de mil votos, conseguiu quase 1.400 votos para a Assembleia Municipal. Conseguimos ser o partido sem representação parlamentar que ficou à frente, foi o partido com mais votos sem representação parlamentar, o que nos dá um certo alento para eleições futuras, primeiro legislativas e depois europeias.”

O Volt Portugal obteve 1.012 votos (0,42%) para a Câmara Municipal de Lisboa, 1.397 (0,58%) para a Assembleia Municipal e 378 para a Assembleia de Freguesia.

Tiago Matos Gomes afirmou ainda que o partido está “satisfeito”, embora reconheça que os partidos “almejam sempre uma maior percentagem, um maior número de votos”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Mas estamos satisfeitos com os resultados que obtivemos numa primeira eleição”, afirmou, lembrando que o partido conseguiu uma eleita em coligação numa freguesia de Coimbra.

“Um partido que surge há um ano, o primeiro congresso fez ontem [domingo] exatamente um ano, conseguirmos uma eleita local dá algum alento para disputas futuras“, afirmou.

O social-democrata Carlos Moedas foi eleito presidente da Câmara Municipal de Lisboa, com 34,25% dos votos, nas eleições autárquicas de domingo, ‘roubando’ a autarquia ao PS, que liderou o executivo autárquico da capital nos últimos 14 anos.

Carlos Moedas vai suceder na presidência da Câmara Municipal de Lisboa ao socialista Fernando Medina, que se recandidatou ao cargo na coligação Mais Lisboa (PS/Livre).

Segundo os resultados oficiais divulgados hoje pelo Ministério da Administração Interna, a coligação Novos Tempos Lisboa (PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança) conseguiu sete vereadores, com 34,25% dos votos (83.121 votos); a coligação Mais Lisboa obteve sete vereadores, com 33,3% (80.822 votos); a CDU (PCP/PEV) dois, com 10,52% (25.528 votos); e o Bloco de Esquerda (BE) conseguiu um mandato, com 6,21% (15.063).