Obrigado por ser nosso assinante. Beneficie de uma navegação sem publicidade intrusiva.

Os receios dos mais céticos de que a reabertura e o alívio quase total de restrições em Portugal pudessem originar um aumento dos contágios parecem, pelo menos por agora, não se confirmar.

Doze dias depois da reabertura de discotecas em Portugal, e numa altura em que 85% da população portuguesa está vacinada, o boletim divulgado esta quarta-feira, 13 de outubro, pela Direção Geral da Saúde, indicia porém que o curso de evolução da pandemia não se alterou significativamente, mantendo-se relativamente estável.

O boletim reporta mais 828 casos de infeção detetados nas 24 horas anteriores e mais nove mortes. Mas uma análise à evolução dos dados que espelham o impacto da pandemia no país permite atestar as seguintes diferenças:

  • A incidência passou, numa semana, de 90,5 no país e de 90,9 em Portugal continental para 83,2 em ambos os territórios. Ou seja, o número de casos por 100 mil habitantes baixou ao longo da última semana
  • O índice de transmissibilidade, conhecido como R(t), subiu: passou de 0,90 para 0,98 no continente e, globalmente, de 0,91 para 0,97 no país. Tal significa que há menos pessoas a ficarem infetadas mas cada infetado contagia atualmente mais gente
  • Mais 328 novos casos, uma diferença que se pode justificar em parte por a véspera de quarta-feira passada, dia 5 de outubro, ter sido um feriado. Para se perceber o impacto disso, o boletim do dia seguinte (5ª, 7) já reportava mais 231 casos (731 ao todo) do que no dia posterior ao feriado
  • Menos 24 casos ativos de infeção, que correspondem ao número total de pessoas clinicamente dadas como estando de momento infetadas — excluindo-se assim quem já recuperou e quem não resistiu
  • Mais 5 mortes
  • Menos 14 pessoas hospitalizadas
  • Menos 6 pessoas em UCI (unidades de cuidados intensivos)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em 24h, menos 10 doentes em hospitais e menos 2 em UCI

Tanto o número de pessoas hospitalizadas quanto o número de doentes internados em unidades de cuidados intensivos registaram uma diminuição em Portugal, ao longo das últimas 24 horas analisadas pela DGS.

Às 0h de esta quarta-feira, estavam internadas em hospitais portugueses com Covid-19 335 doentes. Desses 335, 54 estão em unidades de cuidados intensivos.

Há assim, entre novas entradas e saídas hospitalares, menos dez doentes hospitalizados face às 0h da véspera, terça-feira — altura em que estavam 345 pessoas internadas — e menos duas pessoas em unidades de cuidados intensivos (eram 56).

Madeira sem mortes e sem novos casos, LVT com mais de 300

Ao longo das 24 horas de esta terça-feira, 12 de outubro, não se detetou nem qualquer novo caso de infeção por coronavírus nem qualquer óbito por Covid-19 na região da Madeira.

O cenário é diferente na região dos Açores, onde morreu uma pessoa — uma das nove vítimas mortais da Covid-19 reportadas esta quarta-feira — e onde foram identificados dez casos novos de infeção.

O número de novos casos identificados nas últimas 24 horas é superior na região de Lisboa e Vale do Tejo (+310), Norte (+236), Centro (+167), Algarve (+60) e Alentejo (+50).

Das 9 vítimas mortais, duas eram da região de Lisboa e Vale do Tejo, outras duas eram da região do Alentejo, outras tantas da região do Algarve, uma da região Centro e outra da região Norte.