Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

Um tribunal madrileno ordenou a detenção do jogador do Bayern Munique Lucas Hernández, atleta francês que se sagrou no fim de semana campeão da Liga das Nações ao serviço do seu país. Segundo o As, o mandado de detenção foi redigido no passado dia 14 de setembro.

O documento diz que o defesa deve “comparecer no tribunal [Penal n.º 32 de Madrid] no próximo dia 19 de outubro de 2021, às 11h00, a fim de ser pedido pessoalmente que, no prazo de dez dias, ingresse voluntariamente no centro penitenciário da sua escolha”. O jogador está condenado a seis meses de prisão, diz o mesmo jornal.

Segundo o mesmo jornal, este desenlace advêm de uma situação que remonta a 3 de fevereiro de 2017, ainda o jogador estava no Atlético Madrid, quando Hernández e a mulher, Amelia de la Osa Lorente, protagonizaram uma cena de violência doméstica em plena rua. Na altura, um tribunal de madrid condenou ambos a 31 dias de trabalho comunitário, impedindo-os ainda de se comunicarem durante seis meses, por que meio fosse.

Mesmo com a decisão judicial, Lucas e Amelia foram de lua de mel no verão seguinte, sabendo-se então que casaram em Las Vegas, Nevada, EUA, mesmo que, à altura, o documento proveniente desse casamento não fosse ainda válido em Espanha. Faltava uma deslocação a um consulado. No regresso dessa viagem, num voo proveniente de Miami, EUA, acabaram por ser “apanhados”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O As acrescenta que Lucas Hernández foi a um julgado especializado em violência sobre a mulher, mas posto em liberdade, ao passo que Amelia foi identificada mas não detida, pois ainda não tinha sito notificada da ordem de afastamento.

Depois disto, o Ministério Público espanhol pediu até um ano de prisão para o jogador, por entender que tinha quebrado a referida ordem. Os advogados do francês pediram a suspensão ou substituição da pena por trabalho comunitário, mas o recurso foi-lhes negado porque Hernández não cumpriu os primeiros 31 dias de ações comunitárias a que foi condenado em 2017.

Como explica o As, não é já pelo caso de violência doméstica em si que surge a ordem de detenção, mas sim por ter desobedecido à ordem de um juiz.

A defesa do jogador apresentou recurso e, segundo o As, é bem provável que este seja aceite e faça com que o jogador não seja preso, ou que saia ao fim de poucos dias.